Santiago (Chile): Da gastronomia à História, atrações para todos

 Mercado Central de Santiago, uma das atrações da cidade (fotos: Juliana Bellegard) Mercado Central de Santiago, uma das atrações da cidade (fotos: Juliana Bellegard)

Destino cada vez mais procurado pelos brasileiros, Santiago é uma cidade que conta com atrativos para todos os perfis de turistas - desde aqueles que buscam o agito das grandes metrópoles até os interessados em História. Essa, a capital chilena tem de monte. Fundada pelo conquistador espanhol Pedro de Valdivia, no dia 12 de fevereiro de 1541, ainda preserva muito não só de sua história, mas também do passado da colonização de toda a América Latina. A influência da presença espanhola ali pode ser vista na arquitetura do centro, na Catedral, no Correo Central, e também dentro do Museo Historico Nacional. Outro capítulo importante na trajetória do povo chileno, e que também perpassa toda a história da América Latina, é a ditadura militar. Após o golpe que derrubou o presidente populista Salvador Allende em 1973, o país passou por quase 20 anos sob comando do general Augusto Pinochet. Além do Palacio de La Moneda, sede do governo que foi atacado pelos militares durante o golpe, é possível conhecer também o espaço Londres 38, casa utilizada pela Direção de Inteligência Nacional como lugar de detenção e tortura, e o Museo de la Memoria y los Derechos Humanos - dois espaços que relembram este passado recente. Mas Santiago não vive só de história: fazer um passeio a pé pelas ruas do centro permitem que o turista conheça os calçadões e as várias lojas dali, assim como os cafés e pequenas padarias, onde é possível experimentar empanadas e chilenitos (bolachas recheadas com doce de leite). Outra dica é visitar a Bellavista, bairro tido como boêmio onde estão pequenas galerias de arte, baladas, hotéis, o zoológico da cidade e uma das casas-museu de Pablo Neurda, a La Chascona. Esta última vale a pena a visita, pois reúne objetos, livros, fotografias, móveis e uma infinidade de memorabília do peota. A gastronomia é um item à parte da viagem. Dos pratos com a famosa Centolla, o crustáceo gigante pescado nas áreas geladas do oceano Pacífico, ao ceviche e o Pisco Sour - criações que os chilenos disputam a paternidade com os peruanos -, não esquecendo dos famosos vinhos. Com uma visita ao Mercado Central de Santiago, o turista confere os pescados do dia, comprar alguns itens ou mesmo sentar para comer em algum dos restaurantes do hall central. Fora isso, a maioria dos hotéis e agências de viagens oferece um dos passeios mais cobiçados: as degustações nas vinícolas vizinhas à capital. Em 2013, o governo chileno afirmou ter investido cerca de US$ 2 milhões no mercado brasileiro, um dos seus emissores prioritários. Santiago ainda vem investindo para incrementar seu parque hoteleiro, que deve ganhar 40 novos meios de hospedagem até 2014. Confira alguns cliques da cidade:  Serviço www.chile.travel  

Comentários