';

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

ABIH-MS: Aquário do Pantanal pode fortalecer hotelaria de Campo Grande

Por Lucas Kina 26 de junho de 2018

Aquário do PantanalObras do aquário voltaram este ano

Campo Grande tem uma nova aposta para o desenvolvimento do turismo local: o Aquário do Pantanal. A avaliação é do presidente da ABIH-MS (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), Marcelo Mesquita. Segundo ele, o controverso (entenda mais abaixo) equipamento pode atrair turistas, melhorar a hotelaria da capital e gerar empregos.

Projetado para ser o maior aquário de água doce da América Latina, o espaço terá 16 tanques com 7 mil animais de 230 espécies. Para Mesquita, o aquário será um divisor de águas para turismo da cidade, tendo em vista sua relevância. "Enfrentamos uma situação crítica em Campo Grande, com baixo volume de turistas e ociosidade nos equipamentos", aponta.

Segundo a ABIH-MS, 386 mil turistas desembarcam no aeroporto da capital sul-mato-grossense em 2017. Destes, 213,8 mil visitaram Campo Grande, enquanto 126,140 mil têm Bonito e Corumbá como destino final. Na visão de Mesquita, se o aquário já estivesse em operação, os turistas poderiam ampliar o número de pernoites na capital. 

"Com esses números, nossa ocupação anual na capital passaria de 48% para 53,5%", avalia o presidente da ABIH-MS, que destaca o potencial de geração de receita. Segundo ele, somente com a permanência de um dia dos turistas que vão para Bonito e Corumbá em Campo Grande a arrecadação adicional chegaria a R$ 45 milhões.

“No curto prazo, com ações focadas em captação de turistas e com o Aquário aberto, esta receita poderá ultrapassar a casa de R$ 150 milhões”, avalia Mesquita. Ele desataca ainda que Campo Grande conta hoje com uma oferta de 6,4 mil leitos

Aquário do Pantanal: finalização

Polêmica, a obra do Aquário do Pantanal começou em fevereiro de 2011. Os trabalhos estavam paralisados desde junho de 2016 e foi retomada no começo deste ano. Orçado inicialmente em R$ 84 milhões, o complexo sairá por R$ 230 milhões, segundo o secretário estadual de Infraestrutura do Mato Grosso do Sul, Marcelo Miglioli. A administração do empreendimento será do grupo Cataratas do Iguaçu S/A.

Segundo informações publicadas no DOE (Diário Oficial do Estado), duas empresas foram contratadas, sem licitação, por R$ 38,7 milhões para concluir o aquário. A previsão dada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB-MS) é que a inauguração ocorrerá antes do final do ano, quando termina seu mandato.

(*) Crédito da Foto: Reprodução/Youtube