';
central de reservas - pesquisa - capa

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Central de reservas precisa de atendimento humanizado, mostra pesquisa

Por Camila Gallate 26 de outubro de 2020

Independente do setor, cada ponto de contato entre empresa e consumidor conta para gerar uma experiência satisfatória. No caso da hotelaria, a jornada do hóspede, que vai desde o momento de decisão de compra ao pós-venda, a central de reservas tem papel fundamental no sucesso da comercialização dos quartos e fidelização do cliente.

Se antes da crise o respaldo dos empreendimentos quanto às necessidades e dúvidas dos hóspedes já era importante, neste novo momento estar mais próximo e disponível tornou-se ainda mais latente. Para entender o tamanho desse desafio, a Ponte Consultoria buscou formas de aproximar marcas e clientes. “Fizemos duas ações. A primeira é mobilizar grupos de diálogo pela internet, o que foi bem importante, porque nunca os atrativos haviam fechado, então estivemos em contato para dar suporte”, explica Aracelli Bianchin, consultora sócia da empresa.

Pensando em como apoiar o setor, a companhia desenvolveu uma pesquisa para ou impulsionar ou evoluir o atendimento no pré-venda. “Temos muita experiência com pesquisas. Trabalhei com norte-americanos e percebi que eles são muito bons em processos, mas faltava essa pitada do lado humanizado. A partir disso tivemos a ideia”, contextualiza a consultora.

Focando em atendimento humanizado, a consultoria fez um levantamento abrangendo pontos turísticos em todas as regiões do Brasil. “Hoje, não existe uma lupa para medir o que é humanização. A nossa experiência e estudo trouxe uma forma de começar a olhar e entender o tema”, diz Aracelli.

Assim como é importante conhecer o cliente, para então atendê-lo melhor, é preciso saber quais são as formas de entregar um bom atendimento. Segundo Liliane Rohde, professora de branding e comportamento do consumidor na ESPM Porto Alegre, as regras básicas para envolvem conseguir satisfazer as expectativas do cliente. “Em um primeiro momento, é preciso saber o que ele espera. As peças fundamentais para garantir a satisfação é entregar o que promete”, explica.

Já o atendimento humanizado, engloba o lado humano, como o próprio nome já diz, ao contrário de interações automatizadas. “É estar diante de um atendimento que tenho certeza que é um ser humano. Por isso, ele sempre traz consigo aspectos emocionais e afetivos, sorrisos, perguntas um pouco pessoais, a capacidade de tratar o cliente como um amigo e fazê-lo pensar que é único e está sendo atendido por uma pessoa como ele, que tem sentimentos e emoções”, elucida a professora.

Então, para Liliane, e levando para o universo da hotelaria, o setor tenho um claro dever de casa para atender às expectativas do consumidor. “O cliente espera ser atendido com educação e deferência. As pessoas precisam e desejam se sentir únicas”, explica.

Central de reservas ainda deixa a desejar

Partindo desses princípios, a Ponte Consultoria iniciou a pesquisa. Os destinos foram selecionados por relevância no mercado, de acordo com dados do MTur (Ministério do Turismo). Ao final de junho, 110 hotéis de 4 e 5 estrelas foram escolhidos para fazer parte de um experimento com cliente oculto, estratégia já utilizada por entidades como a Hotéis Rio, por exemplo. “Para fazer a análise, aproveitamos apenas 55”, destaca a professora.

Logo de início, o resultado já surpreendeu os pesquisadores. “Acreditávamos que iríamos extrair excelentes exemplos, até para trabalhar como insumos, mas não foi o que encontramos”, comenta a consultora.

Para a pesquisa, os executores desenvolveram uma persona: uma mulher, 35 anos, casada, sem filhos e que quer viajar com o marido para comemorar os 10 anos de casamento no feriado. Durante os testes, pouco menos da metade (49%) dos atendentes apresentou uma postura classificada como cordial e simpática. Já o número de atendentes que buscou saber mais sobre o cliente, isto é, fizeram perguntas padrão como data e número de pessoas foi ainda menor. Do total, 88% não buscaram saber mais informações do hóspede do outro lado da linha. “O que surpreendeu muito foi a falta de cuidado com a jornada do cliente”, conta Aracelli.

O estudo aponta que 67% dos atendentes informaram de imediato apenas o preço e 85% foram indiferente às necessidades do cliente. Apenas 5% entregaram valor ao hóspede, apresentando benefícios e potencializando a venda. Entre todos os hotéis entrevistados, apenas um fez follow-up, o que chamou bastante atenção dos pesquisadores.

Outro ponto analisado pela pesquisa também foi a capacidade de conexão da marca com o cliente. Analisando a sintonia, avaliada pela forma como eram iniciadas as conversas e pelo uso de elementos de aproximação, os resultados mostraram um atendimento distante. Do total, 11% dos casos realizaram uma conexão incompleta, sem se apresentar ao atender o telefone ou buscar recolher mais informações do hóspede em potencial.

Mais da metade (73%) apresentou apenas uma conexão básica, com tratamentos ainda distantes e sem tentativa de relação mais profundas com os clientes. Apenas 16% conseguiram estabelecer um diálogo mais próximo e humano com os pesquisadores que entraram em contato.

central de reservas- pesquisa - interna

O estudo aponta que 67% dos atendentes informaram de imediato apenas o preço

Reformulação do atendimento

A partir desses números, a pesquisa conclui que há uma fragilidade do atendimento pré-venda na hotelaria. Por consequência, há baixo potencial de conversão de vendas, avalia a Ponte Consultoria.

Segundo empresa, o cenário é resultado de um problema cultural. De acordo com Aracelli, é preciso dialogar com os funcionários e explicar a importância dos processos e produtos que são vendidos. “Quando você olha para o comercial, é muito sobre como você faz a gestão desse setor”, explica.

Detalhes como não saber explicar os procedimentos de segurança com o coronavírus, por exemplo, chamaram atenção durante a pesquisa. “O atendimento é a ponta do iceberg. É preciso olhar para toda a base dessa estrutura para que a experiência possa acontecer de uma forma excelente”, recomenda Aracelli.

Para conferir a pesquisa na íntegra acesse o link.

(*) Crédito da capa: Divulgação/Ponte Consultoria

(**) Crédito da foto: Pixabay