';
Taxa de desemprego - patamar recorde_julho2020

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Brasil atinge taxa de desemprego recorde de 13,8%

Por Vinicius Medeiros 30 de setembro de 2020

boas notícias e outras nem tanto na hotelaria, mas fato é que o cenário ainda é de muitos desafios. Embora a política de juros se mantenha em patamares historicamente baixos, outros dados macroeconômicos sentem mais os efeitos da pandemia. Hoje (30), o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que a taxa de desemprego saltou para 13,8% nos três meses até julho. É o nível mais alto desde 2012.

A taxa de desemprego subiu 1,2 ponto percentual frente ao trimestre anterior. O indicador está bem acima também do patamar de 11,8% de igual período de 2019. O resultado ficou um pouco acima da mediana das previsões da Reuters, de 13,7% para o período. Ao todo, segundo o IBGE, o terceiro trimestre começou com 13,1 milhões de desempregados no Brasil.

O número de desempregados no trimestre até julho representa alta de 2,5% em relação aos três meses anteriores. Há ainda avanço de 4,5% frente igual período do ano passado, informa o IBGE. Na hotelaria, por exemplo, houve muitas demissões, muito embora o setor já esteja reagindo e contratando. Agora, resta observar como o mercado de trabalho vai se comportar se o governo não estender os programas de manutenção de emprego.

Taxa de desemprego: há reação?

De maio a julho, houve queda de 8,1% no número de pessoas ocupadas frente ao trimestre anterior e de 12,3% sobre igual período de 2019. Com isso, o número de pessoas ocupadas chegou a 82,027 milhões, o menor contingente da série. Já o nível de ocupação é o mais baixo, atingindo 47,1%, decréscimo de 4,5 pontos frente ao trimestre anterior. Em relação a igual intervalo do ano passado, o recuo é de 7,6 pontos.

“Temos um processo de perdas grandes no mercado de trabalho e ainda não temos nenhum indício de recuperação“, explica Adriana Beringuy, gerente da pesquisa. “Precisamos esperar um pouco mais e ver se o mercado vai incorporar a melhoria nos indicadores setoriais”, completa.

(*) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News