';

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Em live, hoteleiros fazem panorama do impacto do coronavírus em MG

Por Nayara Matteis 20 de abril de 2020

liveDebatedores destacaram a importância da união do trade durante a crise

A pandemia de coronavírus foi um balde de água fria para o setor hoteleiro de Minas Gerais. A praça, que após anos de crise vinha sentindo discretas melhoras em seus indicadores, como a alta de 17,2% na diária média de Belo Horizonte em 2019, viu todos os seus esforços perdidos no último mês. Em live promovida pelo Hotelier News e Grupo R1, entidades e profissionais do setor analisaram a situação da hotelaria no estado e deram seus palpites sobre possíveis retomadas.

Encerrada há pouco, a transmissão contou com a apresentação de Peter Kutuchian (Hotelier News) e Raffaele Cecere (R1), além da moderação de Vinicius Medeiros (Hotelier News). Na análise, participaram grandes nomes da hotelaria mineira: Acácio Pinto (Vert Hotéis); César Viana (Hotel Financial); Guilherme Sanson (ABIH-MG); Jair Aguiar Neto (Actual Convention Hotel); Maarten Van Sluys (consultor); e Marcos Valério Rocha (FBHA-MG).

Sluys fez uma breve retrospectiva dos últimos e difíceis anos para o mercado até os dias atuais e ressaltou as principais preocupações do setor em tempos de pandemia. “Estamos escolados em crise, viemos passando por grandes problemas de oferta, demanda e crescimento desordenado. A Copa do Mundo, que seria a redenção da hotelaria refletiu positivamente por um breve momento. Em 2019, começamos a subir a ladeira e atingimos o patamar de R$ 200 em diária média e agora estamos em um desafio sem precedentes. Resumiria esta crise como a somatória de todas as outras”.

Viana reforçou o cenário com a recessão econômica que o país sofreu nos últimos anos. “Tivemos grandes perdas no PIB e quando estávamos em processo de recuperação fomos atingidos por esse tsunami. Tínhamos um planejamento interessante para 2020 e agora estamos analisando números, impactos e como vamos sair dessa de uma maneira mais forte. Precisamos retomar investimentos e apostar na hotelaria, porque ela vai precisar”.

O presidente da ABIH-MG compartilhou alguns números do mercado mineiro diante da pandemia. Até agora, cerca de 50% dos hotéis em Belo Horizonte estão fechados e 70% do total de empreendimentos no estado suspenderam as atividades. “Me chama a atenção que com a paralisação de Congonhas e dos aeroportos do Rio de Janeiro, que são nossos principais mercados emissores nos sinaliza muita coisa. É difícil falar em retomada quando o cenário na capital e no interior são diferentes”.

Live: união no trade

Um dos principais pontos do debate foi a importância da união do trade turístico em momentos de crise, especialmente entre hoteleiros e entidades, como foi defendido por Rocha. “Talvez um dos pontos mais positivos que vamos tirar da crise é que o empresariado, em especial o hoteleiro, entenda a importância das entidades de classe e da sua participação nela, o que para mim é uma das mazelas em aspectos sindicais e associativos. Sabemos como é difícil mobilizar e atrair o hoteleiro para que ele participe e contribua”.

Neto reforçou necessidade de uma representatividade relevante perante o governo e a falta de tomadas de decisões alinhadas. “Quando acontecem situações como as que estamos passando, as entidades são as primeiras a serem acionadas, pois os hoteleiros se veem em um cenário complicado. Tivemos uma boa abertura e estamos pensando no day after com estratégias de promoção e entender o que podemos fazer apesar das incertezas”, comentou. “Vivemos em um país onde todo mundo manda, temos várias pessoas tomando decisões. Definir a situação desta forma é complicado”.

Ainda é cedo para dar palpites sobre uma data para a retomada das atividades, apesar das previsões. Para o diretor de Operações da Vert Hotéis e Atlantica Hotels, o que vai determinar os próximos passos e melhores estratégias será o fluxo financeiro. “O que determina é um estudo bem feito de caixa. Hotéis fechados também têm seus custos fixos como manutenção, limpeza, contratos. Cada hoteleiro precisa estudar seu caixa e entender se é melhor fechar as portas ou manter aberto. De resto, vivemos de esperanças sem sabermos como será. O cenário é dinâmico e estudo precisa ser contínuo”.

Para assistir a live completa acesse o link (a transmissão começa às 1:39:40). Na próxima quarta-feira (22), o Hotelier News e R1 promoverão um bate-papo com profissionais sobre Marketing e Vendas em tempos de pandemia.

(*) Crédito da foto: reprodução da internet