';

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Entidades turísticas enviam carta de protesto contra alterações na MP 907

Por Redação 23 de abril de 2020

Entidades turísticas Entidades reclamam sobre a retirada da isenção de cobrança do ECAD

Não é de hoje que entidades turísticas vêm se mostrando insatisfeitas com com as medidas anunciadas pelo governo. Ao final de março, as associações protestaram contra a MP 927, alegando que o texto não atendia às necessidades do setor. Desta vez, o foco é a MP 907, que deve ser votada hoje (23) na Câmara dos Deputados e retira a isenção de cobrança do ECAD em áreas privativas e volta a ser motivo de polêmicas.

O documento assinado por sete entidades (ADIBRA, BLTA, ABIH, FOHB, SINDEPAT, Unedestinos e Resorts Brasil) alega que, caso o parecer do deputado Newton Cardoso seja aprovado, o setor de hospedagens brasileiro permanecerá “com pouca competitividade em relação a outros locais do planeta”.

O texto ainda ressalta que as entidades nunca questionaram a permanência da incidência da taxa sobre músicas executadas nas áreas comuns das propriedades, mas entende que é “inaceitável a cobrança de taxas para o hóspede” e que “a hotelaria nacional, conforme manifestações anteriores, é contra a cobrança dos direitos autorais dentro dos quartos de hotéis, já que são ambientes privados, de uso exclusivo do hóspede”.

Em tempos de coronavírus, a carta ainda destaca que a arrecadação do ECAD sobre músicas executadas em quartos de hotéis representa apenas 4% de seu faturamento, equivalente a R$ 1,1 bilhões anuais. “Cabe destacar, por fim, que, com a crise do Coronavírus, o setor de Turismo está à beira da falência. Todos o setor está com as portas fechadas, somando um prejuízo em torno R$ 14 bilhões até março, e, segundo pesquisas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o setor só deve começar a se recuperar no final do 2021”. 

Entidades turísticas: FBHA

Em comunicado isolado, a FBHA (Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação) se posicionou contra a aprovação do texto na íntegra. Para entidade, é necessário retirar o Art. 32, Incisos I e II, além do parágrafo único.

A FBHA defende que é necessário isentar a amplitude do encargo exigido pelo ECAD, promovendo a cobrança apenas nas áreas comuns dos estabelecimentos de hospedagem. Entretanto, a federação ressalta que, caso a MP seja aprovada sem alterações, a CNC (Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo) terá os seus recursos desviados para que seja realizado o financiamento da criação da Embratur como agência.

"Não apoiamos a aprovação, na íntegra, da MP 907 por prejudicar a movimentação do Sistema S. O Sesc e o Senac, que estão dentro deste conjunto, são de extrema relevância social. Os recursos para a categoria devem ser mantidos em prol comércio nacional", explica Alexandre Sampaio, presidente da FBHA.

Sampaio explica que o Sistema S possui entidades corporativas voltadas ao treinamento profissional e à assistência social, sendo de grande relevância para a sociedade brasileira. O Sesc, como exemplo, promove o desenvolvimento populacional fornecendo acesso à cultura, educação, saúde e lazer, há 70 anos.

"Sabemos também que o Senac é o principal agente de educação profissional, há 74 anos, voltado para o Comércio de Bens, Serviços e Turismo. A organização oferece cursos, em grande parte gratuitos, para que todos tenham acesso às iniciativas. Não podemos permitir que esses segmentos sejam afetados durante a pandemia", complementa.

O presidente ainda pontua que a federação é a favor da isenção de tributação do pagamento do leasing pelas companhias aéreas brasileiras e, além disso, apoia o Capítulo II, no artigo segundo, a taxação progressiva de Imposto de Renda nas remessas feitas pelas operadoras e agências nacionais para quitação de serviços contratados no exterior face aos pacotes vendidos para brasileiros.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Agência Câmara