Em edição 2018, WTM reforça lado corporativo e pretende manter resultados do ano passado

wtmFernando Fischer e Luciane Leite apresentaram a edição 2018 da feira

Consolidada no calendário do turismo do continente, a WTM Latin America chega a sua sexta edição com a missão de fortalecer a faceta corporativa da feira. Entre os dias 3 e 5 de abril, o encontro mostra 600 empresas expositoras e tem uma programação específica para atender clientes que transitam no lado empresarial do segmento de viagens. A expectativa de público é de igualar o ano passado, com 10 mil visitantes.

"Percebemos que havia uma demanda dos nossos próprios clientes de ampliarmos o foco para o setor corporativo. Foi isso que fizemos", afirma Luciane Leite, diretora da feira. Para conferir o tom mais empresarial ao encontro, a WTM alinhou parcerias com associações e empresas especializadas. Abracorp (Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas), Alagev (Associação Latino Americana de Gestores de Eventos e Viagens Corporativas), GBTA e algumas outras foram acionadas e participam ativamente.

A opção de intensificar os compromissos empresariais dentro do evento dialoga com a postura da própria Reed Exhibitions Alcantara Machado, que organiza o evento. De acordo com Fernando Fischer, presidente da companhia, faz parte do jeito Reed priorizar geração de negócios. "Temos obsessão por isso: gerar negócios", reafirma.

Durante 2017 a obsessão da empresa teve êxito. Na edição passada, os negócios gerados na feira chegaram a US$ 374 milhões. Para 2018 a ideia é repetir o feito. 

Na missão de empatar ou superar os últimos índices, a feira implementou algumas novidades. As principais são as criações de três áreas novas que, entre outros aspectos, possibilitam a democratização do acesso ao evento. Travel Tech Pavilion, Destination Pavilion e Lounge de Hospitalidade - destinado a meios de hospedagem independentes - levam empresas menores, que não podiam arcar com os custos da feira para expaços exclusivos. "A ideia é dar oportunidade de pequenas empresas participarem conosco", elucida Luciane. 

Apesar de bem procurados, os novos espaços ainda são uma incógnita sob o ponto de vista dos negócios gerados. "Ainda não temos parâmetro para saber como isso vai funcionar. Com o final da feira iremos saber se vale ou não a pena manter", comenta a diretora.

WTM-LA traz quase toda a América

Atração à parte dentro do evento, a presença de destinos internacionais segue garantida. E neste ano a América do Sul aparece com força. Apenas um país do continente, a Venezuela, não estará representada nos corredores do Expo Center Norte, em São Paulo. Serão 50 nações presentes. 

Para receber tantos "gringos" a feira foi ampliada em tamanho. Os estandes ocuparão dois pavilhões e serão divididos em blocos. Cada empresa ou destino permanece com seus pares. Assim a visitação fica facilitada.

* Foto de capa:  Filip Calixto

Comentários