Setor de serviços recua pelo segundo mês consecutivo

Setor de serviços- quedaEm fevereiro, volume do setor caiu 0,4% comparado a janeiro

Fevereiro apresentou queda no volume de serviços no Brasil pelo segundo mês seguido, com destaque para o setor de Transportes. O cenário é reflexo da lentidão econômica e do alto nível de desemprego no país, que no mesmo período chegou a 12,4%, montante que representa cerca de 13 milhões de pessoas.

O volume do setor caiu 0,4% em fevereiro, comparado a janeiro de 2019, quando houve recuo da mesma intensidade em dado revisado de queda de 0,3%, anunciada antes. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ainda informou que, sobre o mesmo período de 2018, houve avanço de 3,8%. 

Em pesquisa realizada pela Reuters, as expectativas eram de declínio de 0,1% na comparação mensal e alta de 3,7% na base anual. “O fato é que não conseguimos observar nenhum tipo de recuperação mais consistente para o setor de serviços”, afirmou Rodrigo Lobo, gerente do estudo.

No mesmo mês, as vendas varejistas se mantiveram estáveis, mostrando um cenário de dificuldade econômica para conseguir deslanchar e com expectativas de crescimento em queda. Já a indústria apresentou mesmo com o recuo de 17 pontos no setor extrativo devido a tragédia em Brumadinho.

O IBGE apresentou declínio em três das cinco atividades pesquisadas. Os setor de Transporte apresentou contração de 2,6% no volume de serviços. “É a queda mais intensa dessa atividade desde julho de 2018. Houve pressão do transporte aéreo de passageiros, também pela alta em janeiro, ainda que, em tese, o ajuste sazonal sirva para compensar um pouco disso”, completou Lobo.

Setor de serviços: mais resultados

O setor de serviços prestados à família sofreu recuo de 1,1%. Na categoria outros serviços, o declínio foi de 3,8%. Em contrapartida, os serviços de informação registraram alta de 0,8% em fevereiro sobre janeiro, enquanto serviços profissionais, administrativos e complementares ficaram estáveis. 

(*) Crédito da foto: geraldoswald62/Pixabay

Comentários