';

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Governo de SP priorizará setores mais vulneráveis na saída da quarentena

Por Nayara Matteis 22 de abril de 2020

quarentena- spMedidas de flexibilização serão decididas regionalmente, disse Doria

Após anunciar a prorrogação da quarentena até o dia 10 de maio, o governo de São Paulo começa a falar em reabertura das atividades e retomada da economia. Em coletiva de imprensa realizada hoje (22), no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria passou informações sobre como será a flexibilização do isolamento social devido ao coronavírus. Os critérios serão baseados na vulnerabilidade econômica de cada setor e menor risco à saúde.

A partir do dia 11 de maio, a reabertura do comércio será feita por etapas, levando em conta a situação da pandemia em cada uma das regiões. “Numa pandemia como esta, quem determina nossos passos são a saúde e a medicina e assim continuará a partir do dia 11 de maio, após o término da quarentena. Vamos levar em conta situações locais, regionais e setores que possam retomar a economia com as devidas medidas de proteção”, afirmou Doria.

As autorizações para a retomada das atividades deverão respeitar as regras estabelecidas pelo governo, como o uso obrigatório de máscaras de proteção. “A regionalização é extremamente importante porque o país já é heterogêneo e o estado também”, disse José Henrique Germann, secretário estadual de Saúde de São Paulo.

Quarentena: impacto econômico

Segundo o vice-governador, Rodrigo Garcia, a economia no estado não ficou totalmente paralisada, mantendo 74% de seu funcionamento. “São Paulo não parou. Praticamente 74% da economia paulista funciona desde o primeiro dia de quarentena decretada no mês passado”, comentou.

Patricia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, afirma que setores de maior vulnerabilidade e menor risco serão priorizados. Comércio, economia criativa, cultura e turismo são alguns dos segmnetos mais afetados, sendo o microempreendedor o principal foco neste primeiro momento. Ela estima ainda que, nas últimas quatro semanas, a quarentena tenha gerado um prejuízo de R$ 87 bilhões sobre o PIB do estado. 

A reabertura terá dois pontos de atenção: a manutenção do padrão de consumo e liquidez das empresas, mas terá diferenças dependendo do setor, cidade ou região. O estado irá monitorar a disseminação do vírus e capacidade do sistema de saúde. 

As medidas serão baseadas em cinco critérios: distanciamento entre pessoas; protocolos de higiene; sanitização dos ambientes; comunicação e monitoramento da situação. 

A quarentena teve início no dia 24 de março nos 645 municípios do estado. Até às 17h de ontem (21), São Paulo registrava 1.037 mortes por Covid-19 e mais de 14 mil casos confirmados.

(*) Crédito da capa: Leonardo Bessanato/Reuters

(**) Crédito da foto: Divulgação/Governo de São Paulo