';

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Legalização dos jogos de azar volta aos holofotes em encontro realizado em São Paulo

Por Redação 6 de junho de 2017

Tema que frequentemente volta ao centro dos debates quando o assunto é turismo, a legalização dos jogos de azar no Brasil será o ponto principal de um evento realizado na capital paulista este mês. Nos dias 26 e 27 acontece o IV BgC – Brazilian Gaming Congress que procura diferentes visões acerca da temática. 

O encontro recebe exclusivivamente especialistas e players do segmento do Brasil e de países com tradição na exploração de jogos. Cerca de 200 congressistas e dez empresas, entre expositoras e patrocinadoras, têm presença confirmada.

"Esperamos que o evento siga contribuindo para a definição de uma legislação que desenvolva o turismo, fomente a criação de empregos, beneficie causas sociais e gere receitas para o Brasil", destaca Sergio Jardim, diretor geral da Clarion Events Brasil, organizadora da reunião.

Andamento da questão
Atualmente existem dois projetos propondo um marco regulatório para o setor. Um deles tramita na Câmara dos Deputados e outro no Senado Federal. 

Na Câmara dos Deputados, está o projeto de lei PL 442/91, o Marco Regulatório dos Jogos no Brasil, que reúne propostas sobre legalização de cassinos, bingos, caça-níqueis, jogo do bicho e jogos online. Por esse projeto, os cassinos estariam em complexos de lazer construídos especificamente para a exploração de jogos. O mesmo grupo econômico teria concessão por 30 anos, não poderia ter mais de um estabelecimento no mesmo estado e estaria limitado a cinco cassinos no Brasil.

No Senado, tramita outro projeto, o PLS 186/2016, cuja proposta está dividida em três seções: cassinos, bingos e jogo do bicho. Neste cenário, os cassinos estariam localizados em complexos de lazer e teriam concessão válida por 30 anos. Seriam permitidos, no máximo, 35 cassinos no País, sendo que alguns estados, de acordo com a população, teriam no máximo três cassinos.

* Foto de capa: pixabay/meineresterampe