';
Maksoud Plaza - pedido recuperação judicial

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Maksoud Plaza entra com pedido de recuperação judicial

Por Vinicius Medeiros 22 de setembro de 2020

Novo capítulo da crise do Maksoud Plaza. Ontem (21), a Hidroservice Engenharia, controladora do hotel paulistano, entrou com um pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo. Em nota, a empresa disse considerar a medida a melhor e mais eficiente alternativa para “poder prosseguir com o processo de reerguimento do empreendimento”.

Reportagem do Valor Econômico informa que o pedido envolve débitos de R$ 120 milhões, incluindo dívidas trabalhistas e demais credores. Já o passivo tributário, da ordem de R$ 400 milhões, fica fora da recuperação judicial, que envolve HM Hotéis (Maksoud Plaza), a Hidroservice (holding) e suas controladas Manaus Hotéis e Turismo e HSBX Bauru Empreendimentos.

A falta de perspetivas no curto prazo em função da pandemia motivou o pedido. Na semana passada, por exemplo, o hotel demitira mais da metade dos colaboradores. Também pesou na decisão o risco de antigos credores obterem na justiça o direito de executar dívidas que superam R$ 87 milhões. A informação é de Gilberto Gornati, advogado do escritório Thomaz Bastos, Waisberg, Kurzweil Advogados, contratado para representar o grupo.

“O grupo tentou acordos extrajudiciais mas não conseguiu um consenso com os credores. O processo de recuperação judicial é um caminho para renegociar com todos os credores, trazendo racionalidade ao processo”, explicou Gornati ao Valor Econômico.

Maksoud Plaza: credores

O maior débito do grupo é com a Ajinomoto e gira em torno de R$ 80 milhões. Outra dívida, de R$ 7,4 milhões, refere-se a um processo movido pelo BMC, banco adquirido pelo Bradesco em 2007. “Todas as dívidas são antigas. Não temos dívida bancária vencida”, revela Henry Maksoud Neto.

A dívida mais recente, estimada em cerca de R$ 8 milhões, refere-se ao passivo trabalhista gerado a partir das demissões realizadas na semana passada. O valor inclui ainda outras 30 ações trabalhistas antigas do grupo.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Maksoud Plaza