Adit Share: o que podemos aprender com os mercados estrangeiros

adit shareCavalcante, Ignácio e Nusbaum em painel durante a Adit Share 2019

Trazendo conhecimento internacional, o palco da Adit Share recebeu dois grandes representantes do mercado de timeshare mundial. O primeiro painel do dia abordou sobre lições, rumos e perspectivas desse setor em países mais experientes. Sétima edição do evento acontece entre hoje (6) e sábado no Wish Foz do Iguaçu (PR)

Como convidados, Howard Nusbaum, presidente emérito da Arda (American Resort Development Association), e Juan Ignácio, presidente da Amdetur (Asociación Mexicana de Desarrolladores Turísticos) trouxeram casos de seus países. Felipe Cavalcante, ex-presidente da Adit Brasil, mediou a conversa. 

O principal ponto levantado foi a importância da boa relação com o cliente. De acordo com Nusbaum, uma característica necessária para vender produtos de multipropriedade é oferecer segurança de investimento. Para isso, o representante da Arda enfatizou na importância de uma legislação que garanta essa segurança financeira. 

“Esse é um ponto muito importante porque, se compararmos a Europa, Estados Unidos e México a diferença é que, ano passado, esses lugares venderam U$ 400 milhões; US$ 10 bilhões e US$ 5 bilhões respectivamente. Isso porque na França, por exemplo, a venda de multipropriedade e timeshare é proibida”, exemplificou. 

“Encorajo vocês a trabalharem em uma legislação que garanta o funcionamento do negócio assim como dê segurança financeira para seus compradores”, acrescentou. 

Outra questão apresentada é a necessidade de melhorar a experiência e jornada de compra do cliente timeshare. Nos Estados Unidos, a Arda mantém uma coalizão dos proprietários de resorts para atender melhor e ainda proteger esses compradores. 

“Cerca de 30 anos atrás percebemos que os governos estavam incluindo muitas taxas sobre os produtos timeshare que eram pagas pelos proprietários. Chegavam a quase 20% de impostos sobre sua própria casa praticamente. Montamos um então um grupo que luta pelo cliente, uma parte da associação que foca em proteger o cliente dessas situações e melhorar cada vez mais a experiência do produto”, contou Nusbaum. 

Adit Share: problemas futuros

Ao longo da conversa, Cavalcante perguntou aos convidados sobre como lidar com a taxa de revenda. Problema já preocupando os mercados americano e mexicano e que deve afetar o brasileiros nos próximos anos. 

Para Ignácio, a solução para esse problema é, mais uma vez, focar na experiência do cliente. “Bom que o Brasil está atento ao que terá que fazer no futuro. No México, nosso problema vai além do cliente que mudou o estilo de vida e não quer mais produto depois de 10, 15 anos. Uma coisa recorrente é a troca de dados do cliente de maneira ilegal, que são usadas para oferecerem uma proposta de revenda se passando por uma empresa de timeshare séria e pedindo depósitos adiantados. Além de outras práticas pouco éticas”, disse o mexicano. 

“Temos que investir em segurança de dados e uma comunicação eficiente. Além de proteger seu cliente há a necessidade de que você entenda suas expectativas e momento de vida. Se você tem um proprietário que paga a taxa de manutenção mas não usa o produto isso não deve ser visto como bom, tem algo errado. Ligue para seu cliente, saiba o porque ele não está usando, porque não está satisfeito e conserte”, acrescentou Nusbaum. 

(*) Crédito das fotos: Juliana Stern/ Hotelier News

Comentários