Américas do Sul e Central começam 2020 com pé direito

STR - America do Sul janeiro_interna_QuitoFora do radar das grandes redes, Quito viu a ocupação subir em janeiro

Após fechar 2019 com números positivos, a hotelaria das Américas do Sul e Central manteve o ritmo em janeiro. Em meio à alta temporada de verão no continente, os hotéis da região fecharam o período com alta nos três principais indicadores do setor. Destaque para o Rio de Janeiro e Quito, que tiveram alta de dois dígitos no RevPar no mês, segundo a STR.

Em janeiro, sempre na comparação com igual mês de 2019, a ocupação nas duas regiões avançou 0,9%, para 56,5%. Em paralelo, diária média e RevPar cresceram 2,8% (para US$ 91,57) e 3,7% (para US$ 51,75), respectivamente. Novamente, como vem ocorrendo nos últimos meses, a empresa norte-americana não incluiu a Venezuela na medição.

STR: Rio e Quito

Em janeiro, os níveis absolutos de ocupação na capital equatoriana foram os mais altos para o mês desde 2015. Com alta em dois dígitos frente ao ano anterior, o desempenho do indicador impulsionou o RevPar da hotelaria local. Segundo a STR, eventos como o Global Forum on Migration and Development Summit Meeting foram decisivos para a boa performance.

No geral, a hotelaria de Quito apresentou alta nos três principais indicadores do setor. A ocupação, por exemplo, avançou 10,7% (para 57,8%), impulsionando o RevPar, que subiu 11,3% (para US$ 56,48). Por fim, a diária média teve crescimento tímido, com incremento de 0,5% (US$ 97,64). A base de comparação é anual.

Já a hotelaria carioca registrou os melhores níveis absolutos de ocupação e de RevPar para o mês desde a Olimpíada de 2016. Para analistas da STR, o início de ano promissor reitera a trajetória de retomada do mercado do Rio de Janeiro, como também indicam números do FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil).

No geral, a ocupação dos hotéis cariocas em janeiro teve incremento de 8,9% (para 72,3%) frente igual período de 2019. A diária média também teve bom desempenho, avançando 8,8% (para R$ 422,59) na mesma base de comparação. Com isso, o RevPar da hotelaria local explodiu, subindo 18,4% (para R$ 305,63).

(*) Crédito da capa: Shot by Cerqueira/Unsplash

(**) Crédito da foto: Reiseuhu/Unsplash

Comentários