BNT Mercosul abre os trabalhos esperando 6 mil visitantes

BNT Mercosul - GeninhoGóes ressaltou o caráter abrengente da feira

Começou há pouco, em itajaí (SC), a edição 2018 da BNT Mercosul. Reunindo agências de diferentes estados e até de alguns países vizinhos na América do Sul, a feira reúne 103 estandes com aproximadamente 300 marcas. Na projeção de participantes, a organização espera receber cerca de 6 mil visitantes em dois dias.

Geninho Góes, organizador do encontro, explica as dimenções do evento em 2018 e fala sobre a representatividade das empresas expositoras. "Trabalhamos com esse número fixo de espaços para estandes. Entretanto, muitos deles reúnem mais que uma empresa. Por isso, a projeção de marcas que estão conosco é tão superior", elucida. 

Na comparação com o evento do ano passado, o executivo revela que houve aumento na área total, apesar da manutenção no conjunto de expositores. "A feira está 15% maior em área total. O crescimento pode ser percebido pelos ambientes de capacitação que teremos aqui até amanhã", comenta. Simultaneamente à feira, acontece uma programação de palestras distribuídas em sete salas.

Ainda em seu discurso inaugural, Góes ressaltou o alcance amplo do evento. Segundo ele, engana-se quem entende a BNT Mercosul como um evento regional. "Temos muita participação de outras regiões. Caravanas vindas de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Argentina, Chile, Paraguai e muitos outros lugares", afirma. Para ilustrar essa abrangência, ele lembra que, em 2017, participaram profissionais de 180 cidades.

Impacto das greves na BNT Mercosul

A agenda da feira coincidiu com uma sucessão de greves e manifestações que espalharam-se pelo Brasil. Um desdobramento sensível desse contexto é o deslocamento de público, já que o abastecimento de gasolina em partes do Brasil está comprometido. Essa conjuntura, segundo Góes, deve ter reflexos nos números do encontro.

"Naturalmente, teremos uma redução no público em virtude de um fator incontrolável", admite o organizador. De acordo com ele, muitos visitantes costumam vir à feira por via terrestra, de carro particular ou ônibus. Aí concentram-se as ausências. Ainda assim, Góes classifica como satisfatória a movimentação esperada. "Tivemos poucos cancelamentos de caravanas. A redução de visitantes não deve ser tão drástica", finaliza.  

Ministério e secretaria

Bob Santos, ministro interino do Turismo, e Tufi Micherffi Neto, secretário de turismo de Santa Catarina, também tiveram espaços para discursos na abertura. 

O representante federal ressaltou a popularidade do estado entre os destinos turísticos do país e colocou o ministério à disposição da organização. 

Já o secretário catarinense, que assumiu a função em abril, sublinhou os números do turismo no estado. "A atividade turística é 13% do nosso PIB. Isso faz esse setor fundamental para nós", destaca.

(*) Crédito da foto: Filip Calixto

Comentários