Café Vulcão de Minas mistura tradição e modelo de negócio inovador

Gledson e a esposa Marina Ramalho: negócio em família

Em 1928, o bisavô de Gledson dos Reis, diretor do Café Vulcão de Minas, nem imaginava a proporção que seu negócio tomaria no século 21. Sem nunca desviar do ramo de commodities, a empresa passou de mão em mão dentro do clã dos Reis, sempre produzindo e comercializando sacas de café. Foram precisos 85 anos até que a quarta geração elaborasse um modelo de negócio totalmente voltado para a inserção de cafés especiais dentro do segmento hoteleiro. Hoje, a empresa tem seis lojas próprias e uma franqueada dentro de hotéis e resorts, e as pretensões são de crescer ainda mais.

O café é produzido até hoje em Poços de Caldas (MG), cidade de terras vulcânicas, o que acabou por batizar o nome da marca. "O café está na minha família há muito tempo. Um dia pensei que poderia melhorar o negócio. No começo, meu pai não acreditava muito no varejo por conta do número de marcas existentes no mercado”, relembra Gledson. “Entretanto, ele e minha mãe sempre me motivaram a seguir meu caminho e fazer isso dar certo. E hoje conto muito com o apoio da minha esposa Marina", completa empresário ao Hotelier News.

Em 2013, a marca foi criada e registrada oficialmente como Café Vulcão de Minas. Até então, o cultivo era destinado somente para exportação. Segundo Gledson, ele mesmo estudou e aprendeu as técnicas de torra, empacotamento e outros processos de forma artesanal, pois este sempre foi o destino final da produção.

"Hoje, compro o café do meu pai e do meu tio, que comandam a fazenda em Poços de Caldas (MG). Assim, nos posicionamos em Olímpia (SP), dentro dos principais resorts, que recebem milhares de hóspedes durante o ano”, revela Gledson. “As pessoas se sentem mais seguras em consumir algo que têm esse aspecto, que remete ao gostinho da casa delas. É principalmente nessa experiência que baseio a produção do nosso café gourmet", diz.
 
Para o diretor, o interesse no mercado hoteleiro surgiu a partir da análise feita por ele de que os hóspedes demandavam um produto melhor. “Vimos que eles queriam um café premium, com bom paladar e produção artesanal”, comenta o empresário, acrescentando que, apesar de todas mudanças na trajetória da companhia, algumas coisas nunca se alteram. “A colheita, por exemplo, ainda é feita de maneira manual. É esse cuidado que conquistou a aceitação do público”, avalia. 

Café Vulcão de Minas: expansão

Todas as unidades do Café Vulcão de Minas se encontram em Olímpia (SP). A história com a cidade remonta ao período de experiência dentro do Thermas de Olímpia Resort. Na unidade, Gledson deu início à aventura no varejo com uma simples "mesinha" dentro do complexo. Com o sucesso, a empresa expandiu para outros dois empreendimentos: o Olímpia Open Mall, atualmente uma loja convertida em franquia, e o Celebration. Em outubro, o Olímpia Park Resort será o próximo empreendimento a ter uma loja. A companhia conta ainda com duas operações móveis, chamadas de "bike coffee".

A última abertura de loja ocorreu há pouco tempo, no recém-inaugurado Royal Star Thermas Resort & Spa. "Aqui, escolhemos montar uma loja modelo para que os franqueados possam visitar e conhecer o nosso modelo de negócio", explica Gledson.

Para o futuro, a meta é vender de oito a 12 franquias por ano. "Queremos crescer aos poucos e com sustentabilidade. No longo prazo, o objetivo é levar a marca para todo Brasil”, finaliza. Será que a quinta geração dos Reis vai continuar essa saga?

(*) Crédito da foto: Peter Kutuchian/Hotelier News

Comentários