Com série de workshops, Relais & Châteaux reforça importância do Brasil como mercado emissor


Hoteleiros presentes no workshop R&C em São Paulo
(fotos: Juliana Bellegard)

Maior mercado emissor da América do Sul, o Brasil é um destino celebrado pela Relais & Châteaux. Apesar de ainda ser um destino tímido no que diz respeito a atrair turistas - especialmente por conta do portfólio da marca ainda enxuto -, o País já é responsável por 4% das reservas feitas em hotéis membros da coleção em todo o mundo. 

Segundo Philippe Gombert, presidente da rede, apesar de não haver sido registrado crescimento do ano passado para cá, o mercado brasileiro segue sendo importante. "O turista do Brasil aprecia a boa gastronomia, a cultura e os bons vinhos. São experiências que os hotéis da Relais & Châteaux cultivam e oferecem para seus hóspede", define ele. 

Além disso, o desenvolvimento da hotelaria no País também foi percebido. "Ficamos impressionados em ver como o mercado hoteleiro do Brasil cresceu de oito anos para cá em termos de qualidade das propriedades", aponta o executivo. Aqui, a R&C conta com três membros: o Hotel Santa Teresa, no Rio de Janeiro, o Saint Andrews, em Gramado, e o Txai, em Itacaré - este último sendo o mais recente a entrar para a coleção.

Apesar de não haver uma proposta de expansão da rede - em oposição a isto, há o desejo de oferecer a melhor experiência possível para o hóspede, selecionando criteriosamente os hotéis que recebem a chancela -, Gombert não descarta a ampliação do portfólio brasileiro, havendo um produto que se encaixe nas características buscadas.


Philippe Gombert, presidente da Relais & Châteaux

Hotéis brasileiros
Entre as unidades nacionais que integram a Relais & Châteaux, a força da marca é apontada com unanimidade como fator de valorização do produto. "Os clientes que se hospedam aqui são clientes da coleção, já conhecem outras unidades e identificam na marca um reconhecimento de qualidade", aponta Umberto Beltramea, gerente geral do Saint Andrews.

Mônica Paixão, gerente geral do Santa Teresa, também diz que os hóspedes veem a R&C como uma referência de excelência. "É uma marca muito forte, agrega valor ao hotel e nos ajuda muito nas vendas", coloca. Para ter este reforço de visibilidade, principalmente entre os clientes internacionais, o Txai afiliou-se há um ano e meio à rede. "Já somos um produto consolidado no mercado brasileiro", explica Bruna Dib, diretora de Vendas e Marketing do resort, destacando que a a chancela R&C traz ainda mais confiança ao cliente.


Nelly Pager, diretora de Serviços aos Membros para a América do Sul da Relais & Châteaux

O evento
Reunindo cerca de 130 agentes e 60 jornalistas em São Paulo, além de 60 agentes no Rio de Janeiro, os dois workshops da Relais & Châteaux realizados nesta semana reforçaram a importância do mercado brasileiro. Tanto o presidente Philippe Gombert quanto Nelly Pager, diretora de Serviços aos Membros para a América do Sul, afirmaram ter observado também o interesse dos profissionais nas 33 propriedades participantes do evento.

A executiva aponta que além dos destinos tradicionalmente buscados pelos brasileiros - Estados Unidos e Europa -, houve também bastante procura por hotéis da América do Sul. Na região, atualmente, o portfólio da R&C conta com 18 hotéis e quatro restaurantes.

Serviço
www.relaischateaux.com

Comentários