Confetur discute tendências para o turismo de São Paulo

confeturPresidente da Braztoa abriu o painel com tendências do viajante

Em continuidade à programação da primeira Confetur (Conferência Municipal de Turismo de São Paulo), aberta pela manhã, o segundo painel trouxe o tema "O viajante de hoje e o viajante de amanhã". Para o painel, o palco do Teatro Municipal recebeu Roberto Nedelciu, presidente da Braztoa, Marta Poggi, da Estratégia Consultoria e Luciano Santos, do TripAdvisor.

Abrindo o painel, Nedelciu exemplificou algumas tendências para o setor de turismo brasileiro. Segundo o presidente, profissionais do setor devem se atentar para viagens domésticas, que estão favoráveis devido ao câmbio. Outras tendências são buscas por sustentabilidade no consumo e negócios, personalização e tecnologia e inovação. Outra questão é que o perfil do consumidor está em constante mudança, principalmente com a entrada da Geração Z como consumidores de turismo

Entre as tendências que mais influenciam a cidade de São Paulo, Nedelciu ressaltou que viajantes estão preferindo viagens mais curtas. Em 2018, 27% dos pacotes vendidos pelas associadas Braztoa foram de até quatro dias. Em 2017, foram 26% e, em 2015, 25%. Agora mais de 50% dos pacotes foram para viagens entre cinco e nove dias. 

Além disso, a tendência de integrar viagens de negócios com lazer vem crescendo cada vez mais. "Essas tendências são grandes oportunidades para São Paulo, uma cidade que respira turismo corporativo e que também é considerado uma conexão entre outros destinos", disse Nedelciu. 

Em seguida, Marta exemplificou algumas mudanças que já podem ser vistas no setor de turismo. Entre elas, destinos turísticos inteligentes que integram social, sustentabilidade, tecnologia e experiências, estão em alta. 

A busca por experiências diferenciadas em si já é uma característica do novo viajante. Como exemplo, Marta menciona o Airbnb, que vendeu 30 mil experiências em 2018, sete vezes mais do que no ano anterior. "Essa busca está não só no destino como na hospedagem também. Como, por exemplo, a Casa Avós, hotel de uma cervejaria que instalou uma choppeira nos quartos", exemplificou Marta. 

Outro destaque da consultora foi o uso de rede sociais. "Sempre digo que o Instagram é a rede social feita para o setor de viagens. Estudo mostrou que 48% dos viajantes da Geração Z escolhem o destino mais instagramável para viajar. Empresas e destinos que entenderam esse potencial estão se dando muito bem", finalizou. 

Confetur: o que buscam em São Paulo

confeturExperiências rápidas por São Paulo são as mais buscadas no TripAdvisor

Por sua vez, Santos mostrou a relevância do mundo online para as vendas no turismo. Segundo ele, reservas online são o terceiro maior segmento no turismo, atrás apenas de empresas aéreas e hotéis. Reservas online geraram US$ 12 bilhões em receita em 2017, com previsão de US$ 27 bilhões para 2020. 

Ainda assim, 80% da receita do turismo é gerado offline, mesmo que mais de 45% das reservas de hospedagem, experiências, ingressos, etc.. sejam feitas online. 

Só o TripAdvisor recebe em torno de 500 milhões de visitantes mensais, contabilizando mais de 730 milhões de avaliações e opiniões. Usando o site como referência, Santos elencou os principais pontos turísticos, produtos e experiência buscados em São Paulo. 

"Depois de atrações turísticas, as pessoas buscam por tours privados, tours históricos, viagens de um dia, tours culturais e city tours. Isso exemplifica todo o potencial de São Paulo como destino final ou de passagem", disse Santos. 

Em atrações turísticas, a Pinacoteca foi a mais procurada, seguida do Parque Ibirapuera e da Avenida Paulista. Em relação às experiências disponível para a cidade, um tour de cinco horas com translado desde o Aeroporto de Guarulhos é o mais requisitado. 

(*) Crédito das fotos: Juliana Stern/Hotelier News

Comentários