Cristiano Placeres: "mídia social não é moda, é comportamental"

Em conversa com o Hôtelier News, Cristiano Placeres,
 gerente regional de Vendas no Nordeste da Atlantica
Hotels International, falou sobre a divulgação dos
hotéis locais e as projeções para o futuro
(fotos: divulgação)
 
Cristiano Placeres trocou a cidade da garoa pelas belas praias de Fortaleza, no Ceará. Graduado em Administração Hoteleira pela Faculdades Integradas Hebraico Brasileira Renascença, hoje integrada à Uniesp, o executivo trabalhou com tecnologia a atuou em diversos restaurantes antes de entrar para a hotelaria.
 
"Em 2001, o Nordeste era um mercado em crescimento. Em paralelo, São Paulo teve uma queda de visitantes. Decidi me arriscar e ir para lá", explica ele, que teve passagens pelo Golden Tulip, Blue Tree e Vila Galé. Placeres assumiu a função de executivo de Contas na Atlantica Hotels International em 2003, quando foi trabalhar no Comfort e Quality Fortaleza. Na rede, ele esteve ainda no Quality Suites Natal e no Beach Class Resort Muro Alto antes de assumir a gerência regional de Vendas, em 2007.
 
Uma das estratégias de sucesso desenvolvidas por Cristiano e sua equipe é o Destino Nordeste, um projeto de divulgação dos empreendimentos da Atlantica em toda a região. Desde 2008, são desenvolvidas diversas ações para apresentar aos turistas os hotéis, realizar promoções especiais, além de estreitar as relações dos executivos com os agentes.
 
O portal Destino Nordeste, que entrou no ar em 2009, é um dos braços que vem trazendo mais resultados para o projeto. Buscar  oportunidades na internet é o objetivo de Placeres para este ano, seja no desenvolvimento das funções do portal, seja por meio do Twitter da Atlantica ou parcerias como a que foi feita com o site Dotz no final do ano passado.
 
Ele conta que procura acompanhar todas essas ferramentas online, sempre pensando em alternativas para transformá-las em mais um meio de trabalho. "Eu procuro ficar a par de tudo, tenho Twitter, Facebook, LinkedIn, Skype", completa. Para Placeres, o dinamismo e possibilidade de criar novas estratégias são a melhor parte de sua função.
 
 
"Gosto da gestão comercial, trabalhar com novas oportunidades. É sempre muita adrenalina, pressão. Mas ver o resultado, clientes, investidores e colaboradores satisfeitos, é muito bom", diz. "E, sempre que pegamos os resultados de uma ação concluída, já estamos com a cabeça nas novas ações, em mais estratégias", conclui o executivo.
 
Em entrevista ao Hôtelier News, Cristiano Placeres conta um pouco sobre o histórico do projeto, fala sobre a profissionalização das mídias sociais e arrisca alguns palpites para o futuro do Nordeste.
 
Por Juliana Bellegard
 
Hôtelier News: Por que uma iniciativa focada somente nos empreendimentos do Nordeste?
Cristiano Placeres: Nos últimos sete anos, tivemos um grande crescimento nesta região. Em 2003, quando eu entrei na Atlantica, tínhamos somente o Comfort e o Quality Fortaleza. Hoje, temos dez hotéis em oito cidades. Com essa presença maciça, precisávamos nos fazer presentes, contar aos passageiros onde estávamos e criar uma fidelização.
 
O passageiro que viaja para o Nordeste tem um perfil diferente. Ele não fica em uma cidade só, normalmente tem interesse em
visitar diferentes destinos.
 
HN: Quais ações foram desenvolvidas no início da campanha?
Placeres: No primeiro ano de 2008, fizemos uma grande blitz de vendas, levando os gerentes para São Paulo para divulgar seus empreendimentos. Foram feitas duas ações com foco em públicos diferentes: um movie day para os agentes e operadoras e um workshop para a Associação Brasileira de Compradores para Hotéis e Restaurantes (Abracohr). Com isso, conseguimos aprimorar o relacionamento dos gerentes com este público. O contato pessoal, o corpo a corpo, sempre faz diferença na hora de vender.
 
Cristiano (centro) e sua equipe vestindo a camisa do programa
 
HN: Houve uma mudança de estratégia em 2009?
Placeres: Sim, precisávamos de um formato diferente do ano anterior, renovar a abordagem. Ampliamos as visitas, dividindo os gerentes dos empreendimentos para que eles fizessem inspeções aos principais mercados emissores de turistas para o Nordeste. Trabalhamos com a parte visual também, criando um material gráfico e uma camiseta. Literalmente, todos os vendedores vestiram a camisa do Destino Nordeste.
 
Em um segundo momento, começamos com as ações online. Foi quando criamos o portal Destino Nordeste (www.destinonordeste.com.br). Foi uma forma de trabalho que ainda não havíamos explorado, o enfoque na internet. O esforço foi
no sentido de fazer nossa campanha crescer.
 
HN: Que resultados estes dois primeiros anos geraram?
Placeres: Desde o início, tivemos uma resposta excelente do mercado, tanto pelos negócios feitos quanto pelo relacionamento. A campanha online, por exemplo, teve seu foco não só na
divulgação dos dez empreendimentos, mas tentamos conseguir o maior número de reservas fechadas via internet. Como resultado, vimos o número de reservas online crescer 110% em relação a 2008, fechando em um valor de R$ 1 milhão.
 
O ano de 2009 foi particularmente interessante, pois estávamos em meio a uma crise mundial, mas ainda trabalhando na campanha. O resultado foi que os hotéis do Nordeste tiveram maior incremento de RevPar da rede. Fomos líderes de vendas em quase todas as praças. Acho que o Destino Nordeste foi realmente uma iniciativa inovadora, envolveu todos os colaboradores da Atlantica.
 
HN: Para 2010, como está sendo desenvolvida a campanha?
Placeres: Vamos seguir mais no foco online, sem deixar de atuar em outros meios, claro. O trabalho com internet está sendo muito dinâmico, vanguardista. É importante buscar na internet as oportunidades, estudar com cuidado como deve ser nossa inserção e dar mais atenção a isso.
 
 
Paralelamente, ampliaremos nossa participação em feiras, seja em um estande próprio do empreendimento, institucional da Atlantica, no Resorts Brasil ou dentro do destino. Também trabalharemos com blitz de vendas na própria região Nordeste, além das viagens dos próprios executivos por todo o país.
 
HN: Nesses contatos diretos dos vendedores com o público, como encaixar o Destino Nordeste?
Placeres: A Atlantica tem um diferencial interessante. Buscamos trabalhar os empreendimentos como um todo. Cada uma das nossas unidades tem o seu diferencial e características únicas, mas a venda pode ser feita em conjunto. Quando um executivo viaja, leva material do seu hotel e de todos os outros. Assim, ele colabora para a divulgação dos colegas e, muitas vezes, consegue fazer a venda cruzada, um vende o outro.
 
Também vendemos a unidade junto com o destino. Eu acho que é nossa responsabilidade divulgar o local onde estamos instalados junto com o hotel. Parcerias com as entidades e órgãos de promoção vem se mostrando uma boa forma de captar oportunidades e desenvolver uma estratégia de mercado.
 
HN: O trabalho online inclui mídias sociais. Como você visualiza o trabalho com estas novas ferramentas?
Placeres: Estamos focando nossas ações nas mídias sociais também. Elas não são uma moda, e sim comportamental, é como estamos funcionando hoje. Temos que buscar meios de usá-las de modo profissional e alcançar resultados, além de gerar lucros por meio delas.
 
Aproveitamos um recurso online - o Skype - para fazer
a ligação São Paulo-Fortaleza e falar com Placeres
 
A Hora do Planeta foi um exemplo interessante de uso das mídias sociais para uma divulgação, pois o movimento ganhou força com elas. E foi algo que nos deu a oportunidade de pensar em ações diferentes, em como poderíamos colaborar. Fizemos jantares a luz de velas, algo muito bacana, apagamos as luzes da fachada, diminuímos as luzes do hotel, desligamos o ar condicionado. É isso que buscamos para a hotelaria como um todo, sempre achar alternativas inovadoras, ações diferentes.
 
Outra ação, especificamente da Atlantica, que refletiu esse dinamismo da internet foi a premiação da milésima seguidora do twitter. Tudo teve que ser muito rápido: definir o prêmio, descobrir quem ela era e contatá-la, tudo em um só dia.
 
HN: Os passageiros brasileiros já entraram no mundo das reservas online, ou ainda hesitam?
Placeres: Hoje, vivemos numa época de transição do pessoal para o online. É preciso trabalhar com a internet com muita atenção e cuidado. Toda a operação online do hotel tem que ter o suporte de uma equipe de atendimento. Os clientes de negócios já incorporaram todo esse processo via internet, até pela praticidade do sistema.
 
O passageiro de lazer é diferente. Ele vai ao seu hotel não por obrigação, mas por escolha. Ele sempre quer saber mais sobre o
lugar, prefere falar com um atendente para resolver suas dúvidas. A internet, nestes casos, tem um papel muito informativo, de mostrar os empreendimentos, as promoções, o destino, etc.
 
 
HN: Como está o movimento hoje nos empreendimentos do Nordeste?
Placeres: Hoje, a Atlantica tem 1,5 mil apartamentos no Nordeste, somando os dez empreendimentos. Eles tiveram, durante o mês de janeiro, uma ocupação acima dos 95%. Neste período após o Carnaval, a média deve estar nos 65%.
 
Um fator importante que se deve destacar no Nordeste é que não temos mais a chamada baixa temporada. Antes, a região era vista somente como um destino de lazer, e aí sim, via-se claramente um período de movimento intenso e uma queda brusca. O que está acontecendo agora é que estamos nos transformando também em um destino de negócios. Além do lazer ser melhor trabalhado, quando esta procura diminui, a demanda por eventos e outras oportunidades no meio corporativo cresce. Por isso, buscamos oferecer a melhor estrutura possível para qualquer tipo de hóspede.
 
HN: Você comentou sobre o diferencial dos hotéis. Como isso é feito dentro do padrão da rede?
Placeres: A Atlantica tem um padrão de qualidade, mas que não vem para nos engessar. Tem a ver com a qualidade do atendimento e do serviço. O que nós fazemos aqui é desenvolver as particularidades de cada local onde estamos. O Nordeste tem uma cultura própria muito rica e a Atlantica nos dá liberdade para trabalhá-la, fazendo do empreendimento mais uma forma de
divulgar o destino.
 
 
Se você vier em um empreendimento daqui, com certeza você não vai encontrar a mesma coisa dos hotéis de São Paulo, por exemplo. Pode ser a decoração, o estilo do quarto, e, claro, o restaurante. Ninguém quer viajar e comer o mesmo arroz e feijão de casa.
 
HN: Quais os planos da rede para o futuro do Nordeste?
Placeres: A região é muito promissora, não só para o turismo, mas para a economia como um todo. As capitais estão crescendo e o interior está recebendo diversos investimentos, indústrias e empresas estão sendo abertas por lá, há incentivos. Por isso, acredito que o Nordeste ainda tenha muito potencial a ser trabalhado. E a Atlantica vai se inserir nestas oportunidades também, especialmente porque a demanda por hotelaria só deverá crescer.
 
Atlantica em Salvador? Placeres não descarta essa possibilidade
(foto: olhares.aeiou.pt)
 
HN: A Atlantica tem hotéis em três cidades-sede da Copa de 2014. Alguma ação planejada para este período?
Placeres: Desde o início da candidatura do Brasil, a Atlantica vêm dando todo o apoio à iniciativa, tanto institucionalmente quanto aos destinos, com oferta de quartos. Pensamos não só nas cidades-sede, mas também na rede de apoio, receber alguma delegação, abrir opção de hospedagem em cidades diferentes, esse tipo de coisa.
 
A Atlantica vêm investindo muito no Nordeste, aproveitando o desenvolvimento de sua economia, abrindo espaço para novas praças, sempre mantendo a qualidade de atendimento e serviço. Já estamos em três das quatro cidades-sede - Fortaleza, Natal e Recife -, e não descarto a possibildiade de estarmos em Salvador até lá também.
 

Comentários