Design Hotels enaltece escolha criteriosa de propriedades e relevância do Brasil

Newton Vieira, Christian Malcher e Markus Schreyer, os três da curadoria Design Hotels
(foto: Filip Calixto)

Curador: aquele que administra bens alheios. A definição, elucidada pelos dicionários de língua portuguesa, apesar de precisa deixa oculta uma fração crucial para quem exerce a função, a autonomia da escolha. E é justamente fazendo valer esse significado intrínseco ao termo que a Design Hotels fixa sua bússola e explica o tipo de trabalho que exerce no segmento da hospitalidade. "Não somos coleção, rede, cadeia etc. Somos uma curadoria. Responsável por reunir hotéis que tem em comum a ligação entre hospedagem e experiência cultural condizente com a localização. Sempre em sintonia com o ideal do proprietário", resume Newton Vieira, responsável pela representação da marca no Brasil. De acordo com o porta-voz, design e arquitetura são fundamentais sim para as propriedades representadas mas essas duas características necesssitam ser complementadas pela filosofia que rege as propriedades.

O conceito propagado pelo executivo vale para 316 empreendimentos vinculados à franquia espalhados pelo mundo. Mas, apesar do alto número, há uma seleção criteriosa, própria de curadorias, para selecionar quem faz parte ou não. "Apenas 5% dos hotéis que requisitam entram", diz Vieira,pouco antes de garantir que sua prioridade de gestão é incorporar novos estabelecimentos à lista.

O ponto, ao que conta o representante, é fazer mais conhecida as intenções da Design Hotels e quais são os elementos indispensáveis para fazer parte. A partir daí a entrada de mais estabelecimentos pode ocorrer gradualmente. Adotando essa postura, dois novos hotéis, ambos localizados no Rio de Janeiro mas sem nomes revelados ainda, serão revitalizados e integrados.

"O mundo está mudando e hoje é mais fácil identificar os hotéis que carregam nossa ideia pois é também mais fácil encontrá-los", argumenta, ressaltando que a internet também ajuda nesse processo.

Outra maneira de angariar associados está na divulgação da marca junto ao mercado nacional e esta é mais uma missão em andamento. "Vemos muitos casos de agentes que vendem muito hotéis vinculados a nós mas que não conhecem as outras possibilidades e isso precisamos apresentar. Queremos que os agentes conheçam os nossos produtos diretamente".

O "diretamente" que Vieira salienta materializou-se hoje (6), num encontro que uniu representantes de hotéis pelo mundo e agentes de São Paulo. "Estamos falando de um mercado que ainda não alcançou 10% do potencial que enxergamos nele. O brasileiro pode até ser visto como um povo de hábitos mais informais mas consegue lidar e compreender essas muitas experiências que o turismo e a hotelaria pelo mundo oferecem".

Também participando do evento que ocorreu na capital paulista, Markus Schreyer, vice-presidente da Design Hotels para as Américas, colocou o Brasil entre os 15 principais mercados para a marca e projetou participação entre os cinco mais importantes para os próximos anos.

Serviço
designhotels.com

Comentários