Destino mexicano lidera ranking de cidades mais violentas do mundo

Los Cabos - ranking violênciaPraia em Los Cabos: cidade mexicana lidera o ranking mundial de violência

Relatório do Citizen's Council for Public Safety and Criminal Justice apona que Los Cabos, na região da Baja California Sur, no México, ocupa o primeiro lugar na lista das 50 cidades mais violentas do mundo. A taxa de homicídio local é de 111,33 por 100 mil habitantes. O município é seguido por Caracas (111,19 homicídios/100 mil), na Venezuela, e Acapulco (106,63 homicídios/100 mil), também no México.

Cidade que vive uma intervenção militar, o Rio de Janeiro não aparece entre os 50 primeiros do ranking. O Brasil, contudo, não tem muito o que comemorar: 17 municípios compõem a lista, sendo que Natal aparece em quarto lugar, com 102,56 homicídios por 100 mil habitantes. Veja a lista dos 20 primeiros colocados no final da matéria.   

Em todo o México houve aumento de 18,91% homicídios em 2017 ante ao ano anterior. O caso mais alarmante é Los Cabos, que passou de 61 assassinatos em 2016 para 365 em 2017, alta de 500%. A situação é particularmente perturbadora devido à importância da região para o turismo nacional, impulsionada pelas atrações naturais e desenvolvimento hoteleiro. Luxury Collection Hotels & Resorts anunciou recentemente a construção de um mega complexo na região. No ano passado, o destino foi visitado por 1,4 milhões de pessoas, número mais alto em todo o país. Apesar disso, episódios violentos, como o ataque armado na praia turística de La Palmilla, que deixou três mortos e dois feridos, causaram comoção.

O caso de Los Cabos é bastante semelhante ao de uma outra cidade ao lado do Pacífico: Acapulco, que perdeu destaque pelos altos níveis de violência e insegurança. Desde 29 de janeiro de 2018, o corredor Los Cabos-La Paz é um dos pontos do México que recebe a operação policial Operador Titan, que só é estabelecida nas áreas mais conflitantes do país. Desde janeiro, 5 mil agentes federais fazem a segurança na região.

Impacto do ranking

Miguel Angel Ochoa, presidente da Coparmex (Confederação dos Empregadores da República Mexicana) na Baja California Sur, espera que o problema não perdure. Ele também acredita que medidas de seguranças conduzirão o município a "a um ano de sucesso". "Queremos pedir às autoridades que continuem fortalecendo seus programas de segurança", destacou. 

De acordo com Ochoa, a violência tem um impacto negativo sobre a economia. "Há diminuição de investimentos, o que leva, consequentemente, a desempregos", explica. "Por isso, estamos combinando os esforços de todos, já que se trata de uma grande força de trabalho conjunta que compõe todas as corporações", finaliza executivo.

Ranking cidades mais violentas

(*) Crédito da foto: monica_jim0/Pixabay

Comentários