Economia recessiva e falta de infraestrutura geram queda na hotelaria em Santa Catarina

Santa Catarina- queda alta temporadaVailatti: estamos otimistas com a baixa temporada para compensar o desfalque

A temporada de verão em Santa Catarina não terminou como o esperado. Segundo a Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), o faturamento do comércio apresentou declínio de -9,8% e nos hotéis e pousadas do estado, -19,5%. Para a ABIH-SC (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina), os principais fatores que contribuíram para os resultados negativos foram economia recessiva e falta de infraestrutura.

“A razões para a queda foram diversas. Entre elas, podemos apontar a recessão da economia e a falta de infraestrutura de aeroportos e muitos congestionamentos nas estradas como os principais”, afirma Osmar Vailatti, presidente da ABIH-SC. Segundo Vailatti, o mau andamento na economia de países como a Argentina também foi decisivo para o declínio do faturamento. “Nossos vizinhos argentinos são nossos maiores turistas de fora. Com a inibição da economia do país, o número de visitantes por aqui cai”, explica.

O estudo da Fecomércio abrangeu as cidades de São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Imbituba, Laguna e a capital, Florianópolis. A taxa de ocupação de leitos foi de 72,1%, enquanto em 2018 o índice foi de 81,6%. No comércio, a média de gastos foi de R$ 173 nesta temporada.

O turista que visitou Santa Catarina tem entre 31 e 40 anos. Do total, 50,5% são casados ou estão em uma união estável. Outros 40% estão solteiros.

Em relação à nacionalidade, 71,6% são brasileiros. Segundo a pesquisa, mesmo com os resultados negativos, o número de turistas que visitaram o estado em relação a 2013. Em sua maioria, os viajantes são originários da Argentina (20,6%), Paraguai (2,9%) e Uruguai (1,8%). 

Santa Catarina: expectativas para baixa temporada

Mesmo com um verão ruim, nem tudo está perdido. A baixa temporada que se inicia agora com a entrada das estações mais frias tem se mostrado positiva. Em 2018, o mês de abril apresentou os melhores índices do 1º quadrimestre. No período, a média de quartos vendidos chegou a 57,56%, aumento de oito pontos percentuais frente a março do mesmo ano.

“Estamos otimistas com a chegada da baixa temporada. Acreditamos conseguir uma recuperação expressiva do crescimento e compensar o desfalque do verão”, revela Vailatti.

O presidente da ABIH-SC também salienta as soluções para os números não se repetirem no próximo verão. “Infelizmente, não são soluções que vêm a curto prazo. São necessárias parcerias com o governo para melhorar a infraestrutura de aeroportos e diminuir em congestionamentos”, completa. 

(*) Crédito da foto: Tiago Muraro/Unsplash

(**) Crédito da foto: Lucas Kina/Hotelier News

Comentários