Em dois anos, Expedia dobra carteira de hotéis na América do Sul

Expedia - Marcos SwarowskySwarowsky: mais capilaridade para acelerar expansão

No concorrido mercado de Online Travel Agencies (OTAs) sul-americano, um player vem ampliando a atuação no segmento hoteleiro. Nos últimos dois anos, o Expedia dobrou a oferta de hotéis da região dentro da plataforma. Para os próximos anos, o objetivo é acelerar essa expansão, o que implica necessariamente em elevar a capilaridade dos mercados atendidos.

“É uma tarefa bastante desafiadora, sobretudo porque também teremos que ampliar bastante o perfil dos parceiros. Vamos incluir, por exemplo, mais pequenas pousadas e até mesmo o chamado vacation rental no inventário”, afirma Marcos Swarowsky, Senior Director Market Management para América do Sul do Expedia, que recebeu a visita da reportagem do Hotelier News no escritório da empresa, em São Paulo.

“Para facilitar, estamos deixando o processo de adesão no Expedia Partner Central (plataforma dos fornecedores) muito mais automatizado, fácil e intuitivo. Onde antes havia páginas e páginas para preencher, agora é muito mais simples, e isso vem ajudando no crescimento das adesões na América do Sul toda. Em paralelo, continuamos a orientar nossos parceiros sobre configurações e dando várias dicas, como a importância fundamental das fotos”, acrescenta o executivo, no cargo há apenas poucos meses.

Expedia: expansão e tecnologia

Swarowsky continua o papo, mas deixa um recado claro: antes de tudo, o Expedia é uma empresa de tecnologia. Ainda assim, preza bastante pelo relacionamento com seus dois clientes: consumidores finais e fornecedores/parceiros. É em cima deles que a OTA definiu os quatro pilares estratégicos que guiam o crescimento da companhia. São eles: ser localmente relevante; oferecer boa experiência para os consumidores; ter a melhor plataforma tecnológica; e ser o melhor parceiro dos fornecedores.

“Essas metas redundam em várias ações dentro da empresa. Investimos pesado no site e no app para facilitar a vida do cliente. São mais de 5,5 mil testes por ano em busca de melhorias em usabilidade na plataforma”, ressalta o executivo.

Na outra ponte, e em cima do pilar “ser o melhor parceiro do fornecedor”, o Expedia também investe (tempo e dinheiro) no relacionamento com os hotéis. “Nosso objetivo é oferecer vantagens competitivas para eles venderem mais. Isso ocorrendo, obviamente nós também ganhamos”, explica Swarowsky. “Isso significa munir o hotel parceiro com dados que se transformam em inteligência de mercado”, explica.

Talvez a ferramenta Rev+ seja a que melhor traduz esse propósito. Com ela, o hotel consegue definir uma cesta competitiva em sua região, ganhando parâmetros mais precisos para se posicionar no mercado. “O hoteleiro passa a ter mais facilidade para estabelecer a tarifação. Hoje, 70% dos nossos parceiros utilizam o Rev+”, revela Swarowsky. “Existem ferramentas que também têm essa funcionalidade, mas com limitação de vezes para definir o set competitivo. No nossa ele define a cesta competitiva quantas vezes quiser, na janela de tempo que desejar”, acrescenta Raquel Lima, Area Manager do Expedia.

A empresa também está investindo em outras tecnologias destinadas ao segmento hoteleiro. Ainda sem data de estreia no mercado brasileiro, a empresa já testa nos Estados Unidos o Keyless Entry, que possibilita aos usuários abrir as portas dos quartos com o app do Expedia. Outra novidade é o check-in remoto e antecipado, que também está em fase de testes nos EUA.

(*) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News

Comentários