Em estudo, SPCVB aponta potencial da capital paulista para receber hóspedes aos finais de semana

Destino de identidade corporativa arraigada em diferentes setores, São Paulo também aparece em posição de destaque quando o tema é lazer. E a comprovação disso vem com um recente estudo publicado pelo SPCVB (São Paulo Convention & Visitors Bureau), que mostra a capacidade da capital paulista de fazer bons números de ocupação hoteleira aos finais de semana. Observado o período de janeiro a setembro, em 2016, o relatório mostra que a diferença entre quartos ocupados durante a semana - que é o período de maior fluxo na hotelaria corporativa - e nos sábados e domingos é de 5,94%, com vantagem para os dias úteis. Como base de comparação, em 2012, a lacuna que dá sentido à análise era de 11,91%.

Já a diária média dos hotéis, observada no mês de janeiro de 2012 a 2016 mostra o empenho da hotelaria em manter o desenvolvimento dos finais de semana. A relação entre diária média e taxa de ocupação é inversamente proporcional. Toni Sando, presidente executivo do SPCVB explica: "Em janeiro, por ser um mês de férias, a menor diária média faz crescer a ocupação nos hotéis, criando um equilíbrio entre os meses do ano. O oferecimento deste preço em hotéis de qualidade de São Paulo cria um atrativo especial para os visitantes que procuram conforto e lazer por valores mais competitivos. Pode ser uma alternativa para que a hotelaria mantenha sua taxa de ocupação, com pacotes e promoções". 

Seguindo com base nos números do estudo, vale ressaltar que em fevereiro, geralmente mês de Carnaval, a tarifa da cidade em todos os dias volta a crescer valendo-se da maior procura de turistas por escolas de samba e blocos de rua. Tais tendências fortalecem a imagem de cidade que também está às voltas com o turista de lazer e atrai mais viajantes. 

Além dos hotéis, os hostels também flagram o incremento nessa presença. Aos finais de semana, no primeiro semestre de 2016, a ocupação nos chamados albergues da juventude cresceu 28,6% em relação ao semestre anterior, totalizando a ocupação de 49,40% com a diária média de R$47,00.

Sando afirma que a tendência é a cidade continuar crescendo no aspecto de diversão e lazer. "São Paulo é muito diversificada. Não é à toa que os números são positivos: em 2012, os finais de semana nos hotéis contaram com 53,52% de ocupação no semestre e 54,68% no ano todo. E no primeiro semestre de 2016 foram registrados 55,01%. Levando em consideração a média histórica, pode-se chegar a 56,41% para o ano todo, o maior valor entre os períodos analisados", acrescenta.

Serviço
visitesaopaulo.com

* Foto de capa: arquivo HN/Filip Calixto
 

Comentários