FOHB: hotéis perderam vendas diretas nos últimos três anos

fohbOTAs representaram 21% das reservas no ano passado

Nos últimos anos, conseguir reservas por meios de distribuição diretos vem sendo um dos principais desafios dos hotéis. Com o boom das OTAs, os consumidores têm a facilidade de pesquisar e reservar hotéis, voos e passeios em uma única plataforma, diminuindo a preferência por compras diretas. É o que mostra a 6ª edição da Pesquisa de Canais de Distribuição do FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil). 

Lançado ontem (16), o estudo traz dados para análise do cenário da distribuição hoteleira no Brasil. Esta edição conta com a participação de 596 empreendimentos e 105.872 unidades habitacionais de 16 das redes associadas. A amostra corresponde à 88% da oferta de empreendimentos ligada à entidade – os resultados são referentes aos anos de 2015 a 2018.

De acordo com o levantamento, o percentual de vendas diretas nos hotéis caiu de 72%, em 2015, para 55%, três anos depois. Em igual período, reservas por canais intermediários e OTAs passou de 28% para 45%. Apesar dos canais diretos ainda gerarem muitos negócios para os hotéis, nota-se uma mudança nos hábitos do consumidor, que cada vez mais prefere os intermediários. 

Ao analisar cada canal separadamente, todos os meios de venda diretos apresentaram queda. As reservas direto na propriedade, que são feitas pelo cliente final na recepção do hotel ou recebidas pelo departamento de reservas da unidade, representavam 38% das vendas em 2015. Em 2018, este canal gera 29%. Já vendas fechadas no site próprio do hotel passaram de 20% em 2015 para 15% em 2018. 

Reservas recebidas pelo call center das redes já representavam a menor parcela dos negócios em 2015, sendo 6% das vendas. Em 2018, isso passou para 4%. Vendas realizadas com taxas especiais para grupos e eventos equivalem a 7% do total, igual a 2015, porém com baixa de três pontos percentuais em relação a 2017. 

FOHB: canais indiretos

Já os canais de venda indiretos, com exceção do GDS (Global Distribution System), que continua representando 12% das reservas, apresentaram alta. OTAs, por exemplo, pularam de 10% do total para 21% de 2015 a 2018. Daí a importância dos hoteleiros aprenderem a usar essas plataformas ao seu favor.

Meios intermediários de distribuição eletrônica, como channel managers e web services, passaram a representar 12% das vendas em 2018, frente a 7% em 2015. 

Ainda segundo a análise, entre as OTAs, a Booking.com continua sendo a mais procurada pelos consumidores. A agência online ainda representou 59% das reservas feitas por OTAs em 2018, o mesmo percentual de 2015. Já a Expedia aumentou sua relevância, passando de 22% para 29%. 

Outra plataforma que se fez mais presente nos últimos anos foi a Decolar.com, sendo responsável por 15% das reservas em OTAs, frente a 8% em 2015.

(*)Crédito da foto: Divulgação/Booking.com

Comentários