Fórum Eventos: Debate foca na importância do uso da tecnologia em eventos

Fórum Eventos - Evento aconteceu nos últimos dois dias, em São Paulo

A força e impacto da tecnologia no segmento de eventos. Este foi o foco do debate que ocorreu na tarde desta terça-feira (24). O palanque, presidido por Sérgio Junqueira, realizador do Fórum Eventos, contou com a participação de cinco representantes de importantes empresas. Foram eles Alysson Faria, da Siemens; Cadu Aun, do Twitter Brasil; Guilherme Ishikawa, da Aktuellmi; Ricardo Bruno, do Avantgarde; e Siomar Parreira, da Fuego Incentivos. 

Dentre os principais pontos, Faria destaca a importância em ter uma comunicação efetiva com o cliente durante o evento. "É difícil tornar aquilo tangível na hora, mas os smartphones tornam isso muito mais fácil, possibilitando a comunicação com ele e adquirindo uma análise do seu público", pontuou. 

Aun reforçou a afirmação de Faria, usando o próprio Twitter como exemplo de rede social usada para esta rápida comunicação. "É uma plataforma em real time, atualizada de forma instântanea. No Rock In Rio também obtivemos uma análise bem profunda sobre o assunto, já que notamos que 94% das conversas ocorreram durante o próprio evento", detalha. "Por simples tags conseguimos saber o que o que o público deseja antes, o que procura durante e o que achou depois do evento", complementa. 

O público apto para tecnologia

"O cliente está preparado". Este é o ponto de vista logo de cara do representante da Avantgarden. O profissional explica que hoje já se nota que o público consegue usar a tecnologia para proporcionar o melhor, tanto para o cliente quanto para a própria empresa. Esta visão foi apoiada por Parreira. "Hoje o cliente está maduro. A tecnologia está automatizando processos tradicionais, que, no início, até causou um receio", ressalta. 

Foi então que a insegurança que se tornou um assunto abrangente, principalmente para o setor de eventos. "Depende muito de cada evento e do tempo disponível que ele tem para testarmos novas tecnologias, causando receio de investir em inovação. Contudo, para não deixar que a mensagem perca a sua importância, podemos ir com novidade em coisas mais básicas e garantidas, como iluminação e aplicativos interativos. Não podemos de esquecer que o cliente tem a sua necessidade e precisamos atende-las", afirma Ishikawa.  

Como solução Aun sugere métodos simples de inovação que possam surpreender. "Talvez modificando a sua linguagem ou usando uma simples hashtag, por exemplo. Isso já vai causar uma interação entre o público e deixar a empresa ciente do feedback de seus clientes", pontua. 

Além disso, Bruno relembra a importância de ampliar a visão do nacional e conhecer o que os eventos internacionais estão disponibilizando em sua ações. "O Brasil tem muito a aprender", reconhece.

(*) Crédito da foto: Filip Calixto/Hotelier News

Comentários