HSMAI ROC 2016: O Impacto do Airbnb no Revenue Management pede criatividade na indústria de hotéis

De Louisiana, em Nova Orleans (EUA) 


(foto: pixabay/Wokandapix)

Compondo os 15 workshops disponíveis para os participantes da 13ª edição do HSMAI ROC 2016 - que ocorreu em Louisiana (EUA) - O Impacto do Airbnb no Revenue Management foi um dos painéis mais esperados do encontro.

Lizzete Casarin, diretora de Marketing, Consulting & Valuation da HVS, começou com um overview do mercado, e logo depois foi a vez de Dan Skodol, VP de Revenue Analytics da Rainmaker, aprofundar o assunto e dar dicas para os hoteleiros presentes.

Usando o case de Nova York, Lizzette informou que existem 65, 9 mil propriedades do Airbnb listadas na cidade, sendo 56% apartamentos e casas, 41% quartos privativos, e 3% quartos compartilhados.

A profissional fez ainda um comparativo entre o Airbnb e a indústria hoteleira, demonstrando que 95,4% dos apartamentos ocupados são de hotéis e 7,8% do Airbnb. Finalizou ilustrando a situação atual do mercado mundial, e destacou a maior sensibilidade em relação ao preço, que vem aumentando consideravelmente em ambas opções de hospedagem. 

Dan iniciou sua palestra com a pergunta: ‘Vocês deveriam tratar o Airbnb como conconrrente?’. Em seguida sugeriu três passos para lidar com o impacto das hospedagens alternativas, sendo elas: coletar e analisar informação de forma mais assertiva possível. Exemplo: análise de segmentos x categorias de hotéis. Fazer as perguntas certas aos clientes, concorrentes e profissionais de mercado. Entender dados de mercado, transformando-os em decisões mais conscientes.

Um dos slides mais interessantes do executivo da Rainmaker foi o que mostrou a intersecção da diária média entre hotéis e propriedades Airbnb. No caso, a diária média dos hotéis se mantém acima durante todo o ano, exceto em grandes eventos na cidade, onde o Airbnb assume a dianteira.

 
Análise do desempenho das duas opções de hospedagem quando à diária média 
(foto: Gabriela Otto)

O executivo finalizou com a recomendação de três perguntas que todo RM deve se fazer o tempo todo:

1. Quais são as semelhanças / diferenças de precificação e padrões de compra entre hotéis x Airbnb?
2. Impacto da hospedagem alternativa no meu hotel e na concorrência?
3. O quê eu deveria fazer diferente?

Com as duas apresentações, foi possível concluir que a entrada do Airbnb nas viagens corporativas é irreversível e, tendo isso em vista,  a empresa certamente vai investir para aumentar seus números nesse segmento. Hoje em dia, 10% dos seus negócios são provenientes do mercado ‘corporate’.

Nessa mesma linha de raciocínio, é possível que a Airbnb se torne um distribuidor de hotéis, pois a comissão é bem menor do que uma OTA, por exemplo. Hoje é cobrado 3% do fornecedor (proprietário) e 10% à 15% do hóspede. Em contrapartida, os hotéis também estão se preparando para investir em hospedagem alternativas, com apartamentos e casas de aluguel.

Serviço
www.hsmairoc.org

Comentários