Mesmo com a pandemia, desenvolvimento hoteleiro segue em atividade

desenvolvimento hoteleiro- comfort presidente prudenteÁrea do Comfort, cercada por tapumes, entre o Habib’s e o Mc Donald´s

Apesar de muitos setores da economia paralisados, a construção civil se manteve em atividade durante a pandemia. Com a continuidade dos trabalhos, o desenvolvimento hoteleiro foi um dos beneficiados, dando seguimento a uma série de projetos já em obras. Entre as propriedades que estão com suas estruturações a todo vapor estão o ibis Botucatu, Comfort Hotel Presidente Prudente e Rosewood São Paulo - todos pertencentes ao portfólio da Caio Calfat Real Estate Consulting.

De categoria misdcale, a unidade de Presidente Prudente tem previsão de entrega em dois anos. O hotel será construído no pátio do estacionamento do Prudenshopping, com investimento dos proprietários do centro comercial em torno de R$ 50 milhões. “O projeto tem o objetivo de ser o melhor hotel da cidade, um dos poucos com bandeira internacional. O fato de estar localizado próximo ao shopping é mais uma motivação para o hóspede no momento da escolha”, conta Caio Calfat, CEO da Caio Calfat Real Estate Consulting e presidente da Adit Brasil.

A torre de 15 pavimentos abrigará 148 suítes, restaurante e contará com a administração da Atlântica International. A propriedade ainda oferecerá academia,  duas salas para eventos e lounge. Com foco no mercado corporativo, Presidente Prudente foi a cidade escolhida por estar próxima a divisa de São Paulo com o Mato Grosso. “Ainda não sabemos se a unidade será um condo-hotel, mas Presidente Prudente atua na passagem de turistas corporativos com destino a Campo Grande, Corumbá e outras cidades”, explica.

Já o ibis Botucatu está com 30% de suas obras concluídas, com previsão de entrega dentro de um ano e meio. Com 120 UHs, a unidade oferece todos os serviços padrão da bandeira econômica da Accor. “Botucatu está localizada no centro do estado de São Paulo e é uma das poucas cidades que receberam hotéis com bandeira internacional naquela região. Ao redor, temos muitas cidades industriais que recebem profissionais da agroindústria, pecuária entre outras atividades econômicas”.

Lançado em 2016, o Rosewood São Paulo é, atualmente, uma das maiores expectativas hoteleiras da capital paulista. O empreendimento integra o complexo Cidade Matarazzo, na região da Avenida Paulista, está com as obras avançadas e promete impulsionar o segmento de luxo da maior cidade do país. “Este é um projeto icônico que contou com a nossa consultoria. Com as obras aceleradas, o hotel deve ser entregue daqui um ano”, prevê Calfat.

Desenvolvimento hoteleiro: impacto da pandemia

Mesmo com a construção civil em atividade, muitos hotéis que ainda estavam no papel foram postergados. Na Calfat Real Estate Consulting, 25 projetos foram adiados e, com a impossibilidade de montar estandes de vendas, a preocupação é ainda maior. “A pandemia assustou muita gente. É uma situação inédita mesmo para quem já passou por muita coisa. As obras não pararam, pois já estavam com o caixa resolvido. O baixo número de infectados na construção civil também teve peso nesse cenário”.

Para o executivo, os novos empreendimentos do mercado sentirão o baque da crise no momento da abertura. “São propriedades que iniciarão suas atividades no meio da recuperação. As incorporadoras também estão com problemas de caixa e precisam vender. Muitas delas estão se voltando aos condo-hotéis, porque com a queda de juros o mercado vai apostar em investimentos imobiliários em geral”.

Calfat ainda conta que a Secovi-SP está trabalhando em protocolos de segurança para a reabertura de estandes de vendas, buscando retomar as atividades do setor. “Aprovamos os protocolos, mas o texto ainda precisa passar pela prefeitura. Acredito que vamos levar entre dois e três anos para chegar onde estávamos em termos de desempenho, estrutura e volume de negócios”, finaliza.

(*) Crédito das fotos: Divulgação

Comentários