Ministério da Economia defende reabertura imediata das atividades

reabertura- economiaAssessor de Guedes afirma que economia não resistirá ao isolamento social por mais tempo

Em debate promovido pela Câmara dos Deputados hoje (22), o assessor do Ministério da Economia, Guilherme Afif, defendeu a reabertura imediata das atividades. Segundo o braço direito de Paulo Guedes, a retomada é necessária, pois a economia não resistirá muito tempo ao isolamento social.

Segundo informações da Reuters, Afif destacou que a permanência em casa deve ser uma opção apenas para aqueles que se enquadram no grupo de risco para infecção de coronavírus. O assessor ressaltou ainda que o retorno das atividades está sendo feito com todos os cuidados recomendados e que não podemos abrir mão das medidas preventivas.

Afif ainda criticou governadores e prefeitos que permitiram a reabertura de shoppings com horário reduzido, visto que a mudança causa concentração nos atendimentos e aglomerações nas lojas e praças de alimentação. Para ele, os centros comerciais deveriam funcionar 12 horas por dia com medidas de distanciamento social. 

Em grandes cidades como São Paulo, a flexibilização da quarentena vem sendo feita de forma gradativa. O governador João Doria anunciou um plano de reabertura heterogênea, com diferentes medidas para cada região do estado e dividida em cinco fases.

Reabertura: acesso ao crédito

Na transmissão, o assessor de Paulo Guedes também comentou sobre o Pronampe, programa do governo de acesso ao crédito para micro e pequenas empresas. Afif afirmou que cinco bancos (Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Santander e Caixa Econômica Federal) já começaram a operar com os aportes, mas que a lentidão na concessão de financiamentos ainda é grande.

Segundo estudo realizado pelo FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil), até o final de abril, 49% dos hotéis e parques temáticos ainda não haviam conseguido o acesso às linhas de crédito anunciadas pelo governo.

(*) Crédito da foto: Getty Images

 

Comentários