My Blue Hotel: bem-vindo ao paraíso Jeri, no Ceará

A Estação Pau D'Arara, na vizinha Jijoca, é um dos pontos onde
os hóspedes dos hotéis seguem de jardineira até Jericoacoara.
Boa parte do percurso é no chão de areia
(fotos: Cristiano Macchi)
O caminho ao paraíso pode ser longo, tortuoso, exaustivo, mas no final existe a certeza de que valeu a pena. Foi o que pensei assim que coloquei os pés no chão de areia da vila de Jericoacoara, na costa oeste do Ceará. Até isso acontecer, enfrentamos uma viagem de aproximadamente dez horas, entre aéreo Salvador-Fortaleza, trajeto de quatro horas de micro-ônibus até o vilarejo de Jijoca, depois mais uma hora de viagem em veículo com tração e com direito a muitas sacudidelas para enfim chegar a Jericoacoara, ou melhor Jeri, como é chamada pelos cearenses.
E se Jeri, por si só, já é imperdível, ter como hospedagem o My Blue Hotel coloca a visita ao paraíso cearense das dunas e lagoas na lista de melhores viagens de muita gente. Jericoacoara, que significa crocodilo tomando sol, também é a meca do kitesurfe graças aos ventos propícios ao esporte que o Ceará tem. Muitos adeptos do kite, principalmente europeus, circulam por lá o ano inteiro.
Descoberto pelo turismo nos meados dos anos de 1970, o destino deu, digamos, sua decolada na década de 1980 graças ao 'empurrão' do Washington Post. O periódico americano colocou a então quase desconhecida Jeri num ranking de melhores praias do mundo - fato este sempre lembrado pelos guias locais.
Durante o dia, o lazer está nas praias e nos diversos passeios de bugre para conhecer os arredores. E quando o sol se põe, a noite nada bucólica e bem despojada começa sem hora para acabar. Barzinhos com música ao vivo concentram turistas e nativos pela noite adentro.
Agora vamos aos registros da nossa viagem relâmpago de dois dias, em que a meta a ser cumprida era a de desfrutar de toda a estrutura do hotel e conhecer um pouco do que o destino tem a oferecer.
Por Délia Coutinho*
As malas vão em cima do veículo, e o clima já é de aventura. Uma boa dica é colocar uma roupa confortável e sandálias 
No meio do caminho uma parada para fotos em meio às dunas e muito, muito vento 
Finalmente chegamos!
 Não existe asfalto em Jeri, aqui é 'pé na areia' full time
Fachada do My Blue Hotel exibe a insígnia de 4 estrelas
Recepção clean com teto de quiosque
Feito o check-in e atravessando a recepção, essa é a vista interna
Esta foi a nossa UH, de categoria Standard, pedimos a mudança para leito de casal...
...E rapidamente nossa solicitação foi atendida
As duas paredes cor laranja dão vida ao quarto, que é equipado com TV LCD e tem acesso wi-fi gratuito
O aviso no banheiro sobre a reutilização de toalhas
Amenities Realgem's
Frigobar com opções básica
My Blue ou Mosquito Blue Hotel
Na jardineira ouvimos alguns turistas dizerem que estavam indo para o Mosquito Blue, outros falavam My Blue. A confusão ainda é normal, pois o hotel mudou de nome há cerca de um ano. "A mudança foi uma estratégia de marketing. O antigo nome era original, mas muitas pessoas associavam a um local com muitos mosquitos", explica a paulista Sheila Sousa, gerente geral da unidade.
Em funcionamento há oito anos, o My Blue é fruto do investimento de um grupo de empresários italianos. Com 80 UHs e estrutura com duas piscinas, hidromassagem, spa, sala de jogos e academia, o equipamento distingue-se da maioria dos meios de hospedagem de Jeri, que são basicamente pousadas. A quantidade de colaboradores também é grande se comparada ao número de UHs, são 120 funcionários no quadro fixo, seja em alta ou baixa temporadas.
Hoje, o principal emissor é o Sudeste do Brasil, mas já foi a Europa antes da crise internacional. A diária média oscila entre R$ 220 e R$ 300, dependendo da época do ano.
O que mais me chamou a atenção na estrutura do My Blue foi o cuidado com o paisagismo que vai dos jardins ao revestimento das paredes.
O caminho central leva direto à praia
 Esta é a piscina principal. Os quartos estão nos blocos em frente
Todos os blocos de apartamentos são revestidos com plantas
Essa é a visão da praia em frente ao hotel
Do outro ângulo, vimos as mesas do restaurante
O restaurante do My Blue é aberto ao público e tem acesso
tanto pela praia quanto pela recepção
As chaises na sombra das árvores são um convite ao ócio
Estas mesas brancas tipo tatame são muito usadas no
café da manhã
O nome Mosquito Blue ainda permanece em alguns espaços, como na placa fincada na praia
Sentamos numa dessas mesas e ficamos apreciando o movimento da praia à espera do almoço
Veículos como carroça...
...E bugres são comuns por aqui
Os barcos dos pescadores ficam soltos na areia
Após certa demora não tão notada chegou o primeiro e melhor prato que experimentamos no hotel. Frutos do mar fresquíssimos grelhados com salada
 Após o almoço, a opção é escolher uma espreguiçadeira...
...E pensar na vida olhando para o céu azul entre coqueiros
Quando o relógio marcou 17h30, caminhamos para a Duna do Pôr do Sol 
 Bem em frente do hotel, está a Duna do Pôr do Sol, conhecida como uma das mais belas do Brasil, afinal não é tão fácil ver o sol se pôr no mar. Observem a quantidade de gente subindo ao mesmo tempo
Escutamos de alguns moradores que a duna está diminuindo a cada ano
 A contemplação do espetáculo da natureza sob o vento forte que leva os bonés e deixa as câmeras cheias de areia
 O vento serve para a prática dos mais variados esportes e invenções como este triciclo movido pelo vento
 De volta ao hotel, é hora de conhecer a banheira de hidromassagem
A piscina apropriada para natação
E o spa que tem seis salas de massagem
...Como essa que é aberta, com vista para os jardins. O preço médio de uma massagem é de R$ 80
E uma banheira de ofurô
Este quiosque acomoda um sala de estar com TV, duas estações de computador e sala de jogos...
...Com mesa de sinuca...
 ...E livros em português e em inglês
 O desjejum com vista pro mar é sempre mais palatável!
Alguns cliques do café da manhã, que tem boa variedade de frutas, pães, quitutes de forno e de frios
2º dia
Em nosso segundo dia em Jeri, escolhemos um dos passeios de bugre indispensáveis que leva até as lagoas. Conhecemos duas delas, a Lagoa Azul e a Lagoa do Paraíso. Por conta do mau tempo, cortamos do itinerário a caminhada da Pedra Furada, cartão-postal maior de Jeri.
De acordo com a Associação de Bugueiros, 150 bugres circulam em Jeri. Os passeios custam em média R$ 100 por casal, ocupando o bugre com quatro pagantes
A primeira parada é para fotos na Árvore da Preguiça
Pegamos um barco para chegar ao melhor ponto para banho da Lagoa Azul
Infelizmente o céu cinza tornou a foto muito diferente dos cartões-postais, mas o banho foi muito bom assim mesmo
Lagoa do Paraíso, muito semelhante à primeira parada
De volta ao hotel, o jantar de despedida...
...Que começou com Ceviche de entrada...
 ...C como pratos principais massas combinadas com frutos do mar: Penne ao molho de camarão e Risoto de polvo
Encerramento com pavê
Souvenires A viagem está no fim e é chegada a hora de comprar as lembrancinhas locais. Recomendo a Jeri Arte, colada no hotel, uma das lojas de souvenires mais sortidas que já visitei no Nordeste.
 Das redes, passando por literatura de cordel, artesanato, roupas e até as cachaças...
Em Jeri existe uma loja de havaianas em cada esquina, afinal é o
calçado mais adequado para colocar o pé na areia e esquecer as
preocupações da rotina
Serviço
My Blue Hotel
Rua Ismael, s/n - Jericoacoara - CE
85 3263-4765
www.mybluehotel.com.br
* A equipe do Hôtelier News se hospedou no My Blue a convite do hotel.

Comentários