Namoro entre SiteMinder e Airbnb começou em 2016

Site Minder - Mateus CoelhoCoelho: tecnologia em parceria com Airbnb demorou um ano para ficar pronta

Anunciada em fevereiro, a parceria tecnológica assinada entre SiteMinder e Airbnb já era costurada desde 2016. O acordo previu o desenvolvimento de uma plataforma em conjunto. Além disso, com objetivo de ampliar sua atuação no Brasil, a empresa australiana também alinha acordos por aqui. No radar da companhia estão fabricantes de PMS (Property Management Systems), e já existem conversas com a TOTVS CMNet.

A parceria com o SiteMinder foi mais um sinal inequívoco de que o Airbnb quer se inserir no disputado segmento de OTAs (Online Travel Agencies). Com o acordo, hotéis-boutique, pousadas e bed & breakfast que estão dentro da plataforma de hospedagem terão à disposição um sistema de gestão de canais para usar.

Mateus Coelho, gerente regional de Vendas para Espanha e Portugal do SiteMinder, destaca que a plataforma desenvolvida pelas duas empresas já está rodando e demorou um ano para ficar pronta. Segundo o executivo, diante da mudança conceitual do Airbnb, houve um interesse mútuo para firmar a parceria. 

“Um hotel, em termos de distribuição, precisa de um bom sistema de gestão de canais, e foi por isso que iniciamos as conversas”, ressalta. “Então, desenvolvemos uma tecnologia em parceria. Apesar do Airbnb ser agora também uma OTA, a plataforma tem muitas particularidades. Por isso, desenvolvemos essa tecnologia especificamente para esse fim”, acrescenta Coelho.

SiteMinder e TOTVS CMNet

O SiteMinder, que chegou a 30 mil clientes globalmente, também busca parcerias no Brasil. “É nosso modus operandi. Quando vamos entrar em um mercado, estudamos o mesmo e buscamos empresas parceiras para entregar algo que faça sentido para os clientes daquele lugar”, afirma Coelho. 

Em cima disso, o SiteMinder alinda uma parceria estratégica com a TOTVS CMNet, marca que integra o portfólio da TOTVS. “A TOTVS CMNet é um nome importante no mercado brasileiro, então estamos trabalhando juntos para iniciar um projeto de integração. Ainda não há nada assinado, mas a ideia é integrar nossa plataforma ao PMS desenvolvido por eles”, explica. Procurada, a TOTVS CMNet confirmou as conversas. 

Ele observa que o potencial do mercado brasileiro, bem como a característica da hotelaria local, com muitos hotéis independentes, explica o interesse pelo país. “Reserva direta é um tópico mundial hoje, está na boca de todo hoteleiro. Qualquer empreendimento, pequeno ou grande, no Brasil ou no Japão, reclama de comissões. Hoje, todo o setor entende que o tema é importante para aumentar o poder de fazer vendas. O mercado brasileiro está aberto a novidades e tecnologias, e acho que podemos ajudar bastante nisso”, afirma Coelho.

Relatório

O SiteMinder divulga amanhã (3), no primeiro dia da WTM Latin America, relatório com alguns dados relativos ao mercado brasileiro. Segundo o levantamento, as vendas de quartos de hotéis feitas pela internet subiram 556% nos últimos cinco anos. A empresa australiana estima ainda que essas reservas, das quais 60% serão diretas, devem movimentar R$ 24 bilhões até 2022.

O relatório aponta ainda Argentina, Estados Unidos, Paraguai, Chile, Uruguai, França, Alemanha, Reino Unido, Itália e Portugal, nesta ordem, como os 10 principais mercados internacionais para o Brasil. Entre esses viajantes, 34% têm até 24 anos e 23% possuem de 35% a 49%. Já as oito cidades como principal ponto de entrada no país são: Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu, Florianópolis, São Paulo, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba.

(*) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News

Comentários