Parceria entre esporte e hotelaria, por que não?

Hotelaria - parceria com esportesBasquete é um dos esportes com maior potencial de parceria

Qual a relação entre hotelaria e esporte? Se responder sem pesquisar sobre o assunto, talvez dissesse que quase nenhuma – e erraria feio. Acredite, ao observar esses dois mundos aparentemente antagônicos, é possível encontrar muitas coisas em comum. Talvez seja por isso que, há algum tempo, a parceria entre os dois setores tenha aumentado.

Para entender melhor como essa parceira pode funcionar e o que esperar dela, o Hotelier News consultou Michel Cravo. Gerente de Futebol do time de futebol Audax-RJ e consultor esportivo na MC Sport Business, Cravo é especialista em marketing esportivo.

“São segmentos que se diferem na sua prática em si, mas que se encontram em sua missão”, afirma Cravo. “Ideias de superação, trabalho em equipe, muito treino de repetição e força de vontade, por exemplo, são características presentes de maneira pétrea em ambas as áreas”, explica. O profissional acredita que acordos entre hotéis e entidades esportivas virarão tendência, pois trazem retorno para as marcas envolvidas.

Ainda assim, será necessário um certo tino por parte dos hotéis em entender a importância desse tipo de parceria, avalia Cravo. Entidades esportivas das modalidades mais populares, como o futebol, podem oferecer algo muita mais valioso do que meros fãs. Times como Santos, Fluminense, Flamengo e Palmeiras têm verdadeiros advogados de marca. São, acima de tudo, consumidores fiéis e quase nada é capaz de abalar a relação entre eles.

Hotelaria e esportes - Michel CravoCravo: envolver esportes e hotelaria requer estratégia

Para o especialista, a hotelaria pode se beneficiar disso, mas será preciso dar “algo em troca”. Patrocínios são a ponta mais visível das parcerias possíveis, mas há muitas possibilidades. Vantagens nos programas de sócio-torcedor e quartos temáticos são exemplos do que pudesse feito. “Por meio disso, a hotelaria pode atingir um público muito fiel, dando-lhes quartos temáticos e atrações especiais, rendendo o título simbólico de hospedagem do time do coração”, salienta.

Hotelaria: parceria

Cravo explica que o modelo de atuação entre as empresas envolve, além da relação de semelhança, uma boa exposição para o hotel, dando valor a rede ou unidade. É o caso, por exemplo, da rede gaúcha Laghetto Hotéis, que patrocina o Internacional e o Grêmio, os dois maiores clubes de futebol do Rio Grande do Sul.

Outro fator importante é o engajamento gerado pela mistura de valores positivos do esporte com os serviços que o hotel pode oferecer. Assim, existem casos de redes mundiais, como Accor e o PSG, ou da Marriott International com o Manchester United.

“Futebol, basquete e MMA (Mixed Martial Art) são as principais modalidades procuradas por empreendimentos hoteleiros em termos mundiais”, explica Cravo. A conclusão é que a lista pode (e deve) crescer, pois o empresariado está começando a entender as regras do jogo.

(*) Crédito da capa: jarmoluk/Pixabay

(**) Crédito da capa: Malcolm Lightbody/Unsplash

(**) Crédito da foto: Divulgação/MC Sports Business

Comentários