Profissionais falam em live sobre evolução dos condo-hotéis e mudanças diante da crise

liveDebatedores analisaram o possível mercado no pós-pandemia

Terminou há pouco a live promovida pelo Hotelier News e Grupo R1 sobre um tema ainda pouco abordado durante a pandemia: os condo-hotéis. Profissionais e investidores do setor foram convidados a debater o futuro do segmento no pós-pandemia com análises sobre as mudanças de perfil dos proprietários e desafios individuais do segmento.

Como já é tradição, Peter Kutuchian (Hotelier News) deu as boas-vindas aos debatedores com bate-papo moderado por Vinicius Medeiros (Hotelier News). Artur Arreralo (Led Barra Funda); Camilo Ashcár Neto (Associação Brasileira de Investidores de Condo-Hotel); José Ernesto Marino Neto (BSH International); Sergio Assis (THG) e Shirley Sovilo (Olliver Flats) deram suas visões de mercado e retomada das atividades.

Como pano de fundo, os convidados fizeram uma retrospectiva de mercado e abordaram as mudanças de perfil dos investidores ao longo dos anos. Um dos principais pontos levantados foi a evolução dos proprietários e aumento das exigências perante o retorno financeiro. “O perfil mudou, pois hoje temos diversas opções de investimentos. Agora, os proprietários buscam colocar seu dinheiro em ativos que mostram segurança, liquidez e rentabilidade”, diz Arreralo. “O investidor está mais seletivo, fazendo mais contas, em busca de bons players e boas administradoras. A transparência que vemos hoje é tendência e se perpetuará no mercado”, complementa.

Para a presidente da Olliver Flats, o investidor está mais qualificado e procurando mais opções para obter renda. “Estão mais qualificados, entendem mais do mercado. Olham a renda, a bandeira, a administração, qual foi a rentabilidade do último ano, tendências de diária média. Muitos investem em mais de uma unidade, pois sabem que existirá um retorno mensal”.

Live: mudança de cenário

Inserido nos mercados hoteleiro e imobiliário, os condo-hotéis também sentiram o baque da crise e estudam como se reinventar no pós-pandemia. O COO do THG (Transamerica Hotels Group) comenta que agora o setor precisará de pessoas com experiências que tragam novas ideias para a retomada. “Todos os setores estão reunidos debatendo as melhores práticas, trocando informações, precisando de ajuda mútua. A palavra-chave do momento é análise de caixa. Vejo as operadoras se esforçando em busca de soluções e tentando minimizar o prejuízo financeiro”.

Diante de um cenário de incertezas, investidores e administradoras tendem a entrar em conflito e finalizar parcerias com a queda da rentabilidade dos negócios. Segundo Neto, o setor vem se comportando de forma empática, trabalhando com renegociações. “Os proprietários colhem os ônus e bônus dos empreendimentos. É importante que as operadoras façam sua lição de casa de forma efetiva para mitigar a redução de custos imediatos. Cada caso é um caso e é preciso levar em consideração todos os players envolvidos: fornecedores, prestadores de serviços, etc. Tudo está sendo colocado na mesa e negociado”, diz. “Como resolvemos? Com muito diálogo, imbuídos do sentimento de parceria, afinal investidores e administração têm objetivos em comum”, ressalta.

Complementando o assunto, Marino ainda destaca soluções para frear os prejuízos e os altos impostos pagos pelo setor. “Para melhorar o fluxo de caixa só existem três formas: aumentar a receita, reduzir os custos ou uma combinação de ambos. A maneira ideal é equilibrar os dois. Condo-hotéis pagam muito imposto, é um dinheiro jogado no lixo e se não há uma redução você acaba penalizando o investidor”. 

Para assistir a live completa basta acessar o link (a transmissão começa às 1:30:10 do vídeo).

(*) Crédito da foto: reprodução da internet

 

Comentários