Projeção para o PIB 2020 desacelera com ameaça do coronavírus, diz CNC

CNC- pibConsumo das famílias deve impulsionar a economia este ano

Após o primeiro caso de coronavírus ser confirmado em São Paulo, o governo brasileiro correu para projetar os impactos que a covid-19 poderia causar na economia brasileira, que até então tinha o crescimento esperado de 2,4%. A CNC (Confederação Nacional de Bens, Serviços e Turismo) revisou os números para 2020, empurrando o PIB para baixo, em 2,1%.

Ontem (4), o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou o PIB 2019, que encerrou o período nos decepcionantes 1,1% - sendo este o pior avanço nos últimos três anos. Pela segunda vez desde 2012, o maior responsável pelo avanço da economia brasileira foi o setor de serviços (+1,3%), além do agropecuário (também +1,3%). A Formação Bruta de Capital Fixo (+2,2%) e o Consumo das Famílias (+1,8%) também tiveram impacto positivo no resultado.

José Roberto Tadros, presidente da CNC, ressaltou a importância do consumo na recuperação, ainda lenta, mas firme, da economia brasileira e observou que, com a aprovação das reformas, o ano de 2020 também deverá apontar uma expansão do PIB brasileiro. “É importante destacar também os dados positivos dos Serviços e, especificamente, do Comércio no PIB, com expansão, respectivamente, de 1,3% e 1,8% em 2019. Nossa expectativa é que o consumo das famílias, os serviços e o comércio vão continuar impulsionando a recuperação da economia brasileira em 2020. Acreditamos que, a despeito dos desafios, com a aprovação das reformas e o empenho do governo e do setor produtivo, prosseguiremos firmes na trajetória de crescimento”.

CNC: inflação

Fabio Bentes, economista da CNC, observou que a inflação próxima ao centro da meta definida pelo Copom (Comitê de Política Monetária) permitiu a ampliação do consumo de bens e serviços por parte das famílias via ampliação do crédito ao consumo, cujo avanço real ao longo do ano passado (+11%) foi o maior desde 2010 (+20,5%). Bentes acrescentou, porém, que há ainda preocupação em relação ao desempenho da economia no curto prazo e como a desaceleração da economia global pode ter impactos no Brasil.

“Apesar de não registrar quedas nos últimos 12 trimestres, o desempenho de curtíssimo prazo segue decepcionante. Ainda que positivos, os dados do PIB de 2019 revelam um grande desafio para a economia brasileira nos próximos anos, que é reativar o mercado de trabalho, que, a despeito do recuo na taxa de desemprego, tem apresentado níveis recordes de subutilização da força de trabalho e informalidade elevada”, alertou Bentes.

A percepção da CNC é que as condições que propiciaram a retomada do crescimento econômico no ano passado estão minimamente preservadas, mas ainda há espaço para a queda das taxas dos juros, dada a mediana das expectativas para a inflação de 2020.

A alta de 2,1% no PIB de 2020 será impulsionada, de acordo com a CNC, pelo consumo das famílias (+2,7% ante 2019). Diante dessa nova expectativa e do cenário atual, segundo o qual o PIB se encontra 2,5% abaixo do último trimestre de 2014, a superação plena da recessão, portanto, somente se dará na primeira metade de 2021.

(*) Crédito da foto: Pixabay

 

Comentários