Radisson Hotel Group quer expandir no Brasil

(*) Atualizado às 14h15

Um plano de cinco anos apoiado no crescimento por meio de oito marcas, com foco no segmento Mice e no programa de fidelidade. Tudo isso com um belo de um empurrãozinho chinês. Com essa combinação o Radisson Hotel Grupo planeja sua expansão na América Latina, sem esquecer, é claro, do Brasil. Em entrevista ao Hotelier News, Ross Hosking, vice-presidente de Vendas e Distribuição para as Américas, detalhou um pouco desses planos.

Hoje, o Radisson Hotel Group Global gere 1,4 mil hotéis em 114 países, utilizando diferentes modelos: de contratos de administração a franquias. Segundo Hosking, na América Latina são 50 unidades em 16 mercados, em um total de 7,8 mil apartamentos. No Brasil especificamente, a Atlantica Hotels tem a permissão para administrar propriedades da cadeia norte-americana. Ao todo, são 13 empreendimentos.  “Em nível global, nosso plano é adicionar 69 mil apartamentos até 2022. Na América Latina, a meta é aumentar nossa oferta em 50% em igual período”, informa o executivo. 

Radisson Hotel Group - Ross HoskingHosking: meta é aumentar oferta em 50% na América Latina  

Para apoiar essa expansão, a empresa optou por um caminho muito claro. “Vamos trabalhar com um guarda-chuva de oito marcas. Para clientes e proprietários, é muito mais fácil para entender o que cada uma delas entrega de valor”, explica Hosking. “Investimento em tecnologia é outra prioridade. A ideia é desenvolver uma plataforma integrada, unindo, por exemplo, o programa de fidelidade e o PMS (Property Management System) dos hotéis”, acrescenta.

O segmento Mice também está na mira do Radisson Hotel Group. “Queremos impulsionar o Radisson Meetings, nossa ferramenta online de reserva de salas de eventos e conferências. O objetivo é entregar, por meio dela, boas experiências aos clientes. Não há nada similar no mercado”, assegura. “Além disso, o conceito bleisure é uma realidade. Acho que isso é muito benéfico para mercados de lazer, caso do Brasil”, diz Hoskings.

Radisson Hotel Group: força chinesa

Na avaliação de Hosking, o acordo com a Jin Jiang International, sacramentado este mês, pode catapultar a expansão da empresa. Ele destaca que a companhia chinesa é, em número de hotéis e quartos, uma das maiores operadoras s globais. “Além da grandiosidade da companhia, ela nos abre as portas para o mercado de turismo que mais cresce no mundo”, destaca.

É justamente aí que o executivo encaixa o Radisson Rewards, programa de fidelidade da empresa. “A Jin Jiang International tem potencial para ampliar ainda mais o alcance do nosso programa”, acredita Hosking, que acrescenta. “O valor do Radisson Rewards para hotéis no Brasil será essa possibilidade de promover as unidades para um público global. A chave é gerar demanda para o país por meio dos 20 milhões de membros do programa”, finaliza.

(*) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News

Comentários