Rede Slaviero quer abrir três hotéis por ano

Com formação em Administração de empresas pelo Centro Universitário Positivo (UnicenP), Eduardo Slaviero Campos tem experiência de 15 anos na hotelaria e é diretor da rede que tem seu sobrenome: Hotéis Slaviero. Apesar do grupo atuar no mercado de meios de hospedagem há 26 anos, o executivo antes exercia funções em outras áreas de negócios, como automotiva, agricultura e agropecuária.

Confira a seguir uma entrevista com o profissional de 36 anos sobre o mercado hoteleiro no Paraná e a rede, que hoje conta com cerca de 1,4 mil unidades habitacionais distribuídas por 13 empreendimentos localizados em Curitiba, Pinhais e Ponta Grossa, no Paraná, Florianópolis e Joinvile, em Santa Catarina, e São Paulo.

Por Thais Medina*


Eduardo Slaviero Campos
(fotos: Thais Medina)

Hôtelier News: Qual a meta de expansão do grupo Slaviero para os próximos anos?
Eduardo Slaviero: Nosso objetivo é acrescentar entre dois e três hotéis por ano à rede. No caso de 2007, incluímos uma unidade em Ponta Grossa (PR) em maio e teremos mais um empreendimento na região Sul até dezembro.

Levando em conta o faturamento, crescemos 50% entre 2005 e 2006 e esse índice deve ser mantido este ano.

HN: Em quais praças devem ser abertos esses novos hotéis?
Slaviero: Nosso foco são as principais capitais e outras cidades movimentadas, incluindo o interior de São Paulo, Belo Horizonte, Cuiabá e Vitória. Ao contrário de muitos grupos hoteleiros, não temos intenção de inaugurar empreendimentos no Rio de Janeiro.

Considerando unidades em outros países, também há esse objetivo, porém não no momento. Certamente quando isso acontecer vai ser em vizinhos sul-americanos como Argentina e Chile.

  

HN: Como reagiu a rede Slaviero ao boom hoteleiro ocorrido há alguns anos em Curitiba?
Slaviero: Até o ano 2000 o desempenho dos hotéis estava muito bom. Após essa data, quando começaram a surgir novos meios de hospedagem, o mercado se tornou complicado. Na época, a ocupação caiu entre 10 e 20%. Já a diária média despencou 50%.

HN: Já foi possível a recuperação desses índices?
Slaviero: Atualmente estamos com a mesma ocupação que tínhamos àquela época, porém a tarifa praticada ainda está entre 30 e 40% abaixo do que era.

A situação de três anos pra cá está melhorando. O mercado está lentamente crescendo e a ocupação hoje é boa, porém a concorrência ainda é muito forte e a diária média não foi recuperada. Estamos muito longe do que praticávamos há dez anos. Os negócios estão muito mais difíceis e existe uma briga diária por clientes. A situação é ainda pior para os meios de hospedagem que não fazem parte de uma rede.

HN: Mesmo com todo esse perfil do setor hoteleiro em Curitiba, há novos desenvolvimentos locais?
Slaviero: Sim. Que eu me recorde há cerca de três obras sendo realizadas para abrigar novos hotéis.

HN: Qual o principal público que se hospeda nos hotéis do grupo?
Slaviero: Atendemos principalmente o público corporativo. Considerando os empreeendimentos da regiáo Sul, o público principal é o interno, sendo os turistas provenientes principalmente de São Paulo, destino de onde são provenientes entre 30 e 40% da ocupação de todos os hotéis da rede. Já nas unidades paulistas há grande presença de viajantes estrangeiros.

HN: A crise aérea prejudicou o desempenho da rede?
Slaviero: Certamente, já que as pessoas diminuíram suas viagens. De uma maneira geral, para alguns hotéis localizados próximos a aeroportos houve períodos muito bons, tendo em vista que as pessoas que precisavam esperar seus vôos eram encaminhadas a meios de hospedagem.

  

HN: Está nos planos da empresa oferecer programa de fidelidade?
Slaviero: Este tipo de ação faz parte de projetos futuros do grupo, já que entendemos que para oferecer essa iniciativa é importante ter unidades em destinos diversificados.

HN: Qual será o investimento este ano em reformas nas unidades?
Slaviero: Contamos com um planejamento de investimento anual para todos os empreendimentos. Faz parte da rotina do grupo não deixar os hotéis desatualizados e isso inclui troca de carpetes e enxovais, por exemplo. O valor destinado a essas ações de atualização gira em torno de R$ 1,5 milhão por ano.

HN: Que tipo de capacitação é oferecida aos colaboradores?
Slaviero: A rede atualmente conta com o trabalho de cerca de 400 profissionais capacitados constantemente por meio de cursos, de treinamentos preparados por equipe interna e também por pessoal terceirizado. Esse trabalho é fundamental para melhorar sempre a qualidade dos serviços oferecidos.

Contato
eduardo@hotelslaviero.com.br

* O Hôtelier News viajou a Curitiba com o apoio da rede Slaviero

Comentários