STR: Pipeline de Munique crescerá 15,4% até 2020

A oferta total da hotelaria de Munique, na Alemanha, mantém forte expansão, apontam dados da STR. Segundo a empresa, o pipeline de desenvolvimento na cidade prevê 39 propriedades (7.397 quartos) até 2020. O número representa aumento de 15,4% em relação ao inventário atual do município.

Nesse pipeline, por exemplo, está uma abertura da Courtyard by Marriott, que ocorre nos primeiros meses do ano que vem. Quem também tem planos para a cidade é o IHG (InterContinental Hotel Group), que prevê inaugurações com a marca avid.

Hoje, Munique detém a terceira maior oferta hoteleira em toda Alemanha, atrás apenas de Berlin e Frankfurt. No total, a cidade da Baviera conta com 463 hotéis (47,8 mil quartos), enquanto Berlin e Frankfurt têm 73,2 mil e 48,5 mil apartamentos, respectivamente. A STR observa, contudo, que o inventário de Munique já subiu 11,3% desde o final de 2015, o que ressalta a atratividade do mercado local.

STR - pipeline MuniqueOktoberfest é um dos principais eventos da cidade

STR: performance de Munique 

Diretor geral da STR para os mercados da Alemanha, Áustria e Suíça, Christian Strieder destaca alguns indicadores de Munique. Segundo o executivo, houve uma mudança de tendência nos últimos anos em função do crescimento no pipeline local.

A ocupação recuou em 2016 (-3,4%) e em 2017 (-0,4%), sempre frente ao ano anterior. No acumulado até outubro, 2018 registra queda de 0,6% em relação a igual período do ano passado. No entanto, enquanto a diária média recuou 4% em 2017 ante o ano anterior, o índice avança 4% nos primeiros 10 meses de 2018. O resultado até outubro, segundo Strieder, está ligado à expansão de 4,2% na demanda (room nights vendidos).

“O segmento de feiras e conferências tende a desempenhar um papel central no mercado hoteleiro de Munique”, avalia Strieder. “É comum ver flutuações na demanda por eventos, enquanto a procura no mercado corporativo normalmente permanece estável. Praças que dependem muito do primeiro acabam registrando variações sazonais ao longo do ano. Isso porque grandes conferências sempre mudarão de sede, e aqueles que permanecem na mesma cidade geralmente não são anuais” completa.

O comentário de Strieder faz todo sentido. Em junho, por exemplo, a cidade teve indicadores bastante positivos. Os números foram puxados por duas feiras de grande porte. “Então, enquanto o pipeline de Munique continuar expandindo, e a cidade permanecer como alvo para sediar grandes eventos, vai levar tempo até o desempenho do setor hoteleiro se estabilizar”, finaliza.

(*) Crédito da capa: MinimumViablePhotographer/Pixabay

(*)* Crédito da foto: Pexels/Pixabay

Comentários