The Benjamin New York: entre o Central Park e a Times Square

Fachada do Benjamin Hotel. Em 2011, o empreendimento que faz parte do portfólio da Denihan, completou 10 anos (fotos: Peter Kutuchian)
 
Reserva feita com boa antecedência, chegamos ao Benjamin New York tarde da noite, sendo atendidos pelos recepcionistas da madrugada. Não encontro sua reserva, senhor, disse o atendente depois de alguns minutos. OK, vou ver o e-mail no meu notebook, respondi. Enquanto ligava o aparelho, abria o programa de correio e localizava o documento, ele adiantou-se: encontrei, mas a data de sua reserva era para exatamente um mês atrás! Oh, oh...
 
Após uns 15 minutos, o competente recepcionista finalizou o check-in e disse: vocês deram sorte, pois estamos lotados, porém temos um apartamento, que não é o que havia sido reservado para vocês, mas é muito confortável. Durante a manhã, providenciaremos a mudança de habitação. Pois bem, thanks, good night.
 
Erros acontecem, porém deixo uma dica: um singelo e-mail me perguntando o por que do no show na data primária, teria evitado transtornos e más impressões. E se o hotel estivesse completamente lotado? Como dizia o velho Chacrinha, quem não se comunica... Tudo bem, eu também errei ao não perceber na confirmação da reserva a data equivocada. Assunto encerrado.
 
O Hotel Benjamin New York fica muito bem localizado na Big Apple. Na avenida Lexington com a 50th Street, a uma quadra da Park Avenue e bem no meio do caminho para dois pontos bem turísticos. E eles não são apenas opostos geograficamente, são bem diferentes no conceito.Um deles é o Times Square, reduto e símbolo máximo do consumo, com centenas de out doors digitais, neons, leds e lojas boas e também de quinquilharias. Na outra ponta fica o início do Central Park, um verdadeiro exemplo do que é um parque urbano, no meio da ilha de Manhattan e que beneficia milhões de nova-iorquinos. Ali, dá para passar dias conhecendo suas atrações - como o zoo e os museus em volta dele. Mas, sei bem como é, você leitor pode ser um de muitos brasileiros que vai para Nova York para fazer o que outros milhares de turistas fazem: turismo de consumo e gastronômico, e talvez um pouco de cultural. Seja qual for o seu propósito, New York é New York. A capital do mundo, pois lá vivem milhões de imigrantes oriundos de todo o planeta. Essa mistura é que faz a cidade ser tão especial.
 
Por Peter Kutuchian*
Construído em 1927, para ser o Hotel Beverly, o projeto do arquiteto Emery Roth foi uma de suas criações mais afamadas. Em 1999, a família Denihan o adquiriu, investiu mais de US$ 30 milhões em sua renovação, transformando-o no Hotel Benjamin, uma homenagem ao patriarca e fundador da empresa, Benjamin Denihan Senior, cujo retrato está pintado no quadro que fica atrás da Recepção. Atualmente, a companhia Denihan administra também outros 11 hotéis com as marcas Affinia, além das unidades tão bem conhecidas como The James e The Surrey.
 
Com 209 habitações, sendo 49 de categoria superior; 64 suites studio deluxe; 79 suites com um quarto; 17 suites deluxe com um quarto, sendo 16 com terraço e uma suite com dois quartos e terraço. Na sua infraestrutura estão inclusos os seguintes serviços: restaurante The National, comandado pelo chef Geoffrey Zakarian e com design produzido pelo Rockwell Group. Dois salões de eventos, um (Lexington) com capacidade para 100 pessoas sentadas, que também pode ser convertido em quatro salas menores para reuniões, e o outro (Corner) pode receber até 40 pessoas. Há também um spa para atender as necessidades de relaxamento e condicionamento físico.
 
Preparado para ver as fotos do Hotel Benjamin? Deixe rodar um CD ou LP no teu tocador de música digital (TMD). Sugiro que ouça a trilha do filme What women want, aquele com Mel Gibson e Helen Hunt e... Boa leitura! Qualquer comentário, envie-me um e-mail no peter@hoteliernews.com.br.
 
Contrastando com o céu azul de Nova York, o charmoso letreiro indica o nome do hotel e também o horário exato do clique
 
Um dos diferenciais do Benjamin é a sua localização, nas esquinas da Lexington com a 50th Street, onde fica a entrada do hotel
 
O mensageiro abre a porta para nós. Faltou um sorriso!
 
  No dia em que chegamos, o lobby havia entrado em renovação. Estas são as imagens do "antes da obra"
 
Atrás do balcão da Recepção o quadro de Benjamin J. Denihan Sr, fundador da rede de hotéis
 
Agora sim! Veja como ficou o novo Lobby (foto: divulgação)
 
 Nem parece o mesmo hotel
 
 (foto: divulgação)
 
  
Com a confusão da reserva, na primeira noite ficamos em um apartamento para pessoas com necessidades especiais. A UH se mostrou aconchegante e ampla 
 
Conjunto mobiliário confortável...
 
E, na parede, o quadro com fotos em preto e branco de Nova York
 
A escrivaninha, com ares sóbrios, fica ao lado da porta de entrada     O equipamento para iPods conta com controle remoto e sistema de operação tipo touch
 
  No canto da sala, uma simpática minicozinha, equipada com micro-ondas, pratos, talhares, cafeteira, pia...
  
 
...E muitas opções no frigobar
 
No quarto, a cama king size
 
E sobre ela o aviso para a economia d'água, ou seja, que os lençóis não sejam trocados diariamente. Na sua casa, eles são substituídos todos os dias?
 
Detalhe: móvel da cabeceira com radiorrelógio, abajur, telefone e o menu de travesseiros, cujas opções veremos mais adiante
 
No armário, a tradicional tábua e ferro de passar roupa e o cofre
 
 
Mesmo sendo especialmente projetado para PNE's, o banheiro ficou charmoso com a luz em volta do espelho
 
A outra UH, na qual ficamos no resto de nossa hospedagem, era menor e de um ambiente, porém com mais iluminação natural
 
A mesa de trabalho, igual à do outro apartamento
 
 
O móvel da TV e o criado-mudo
 
 
Agora sim, vamos ver o menu de travesseiros
 
A primeira opção é para as futuras mamães
 
    Não clicamos todas, apenas algumas como "Memória sueca", "Travesseiro nuvem" e "recheio d'água"
 
Outro ângulo da UH
 
A minicozinha neste caso está um pouco menor
 
 
   Nada como um banheiro com iluminação natural, mesmo que o espaço seja minúsculo. A linha de amenities é a Elemis
 
Hospedagem A maioria dos apartamentos dos hotéis nova-iorquinos são de tamanho não muito grande, e o Benjamin conta com habitações similares, porém com um diferencial. Todos têm uma minicozinha, que dependendo do tipo da viagem do turista, pode ser uma mão na roda. Lembre-se que em Nova York o item café da manhã não está incluso em 99% dos hotéis da cidade. Por isso, acordar sem pressa e poder fazer um café matinal com algumas opções compradas na esquina, de preferência no dia anterior, vão muito bem. Diga-me se não é delicioso tomar o desjejum no apartamento, de preferência na cama. E fica a opção também em poder sair e ir numa cafeteria e sorver-se do que desejar.
 
Outra amenidade interessante é o kit para passar roupa. É prático, útil e realmente não sei por que os hotéis do Brasil não implementam esse serviço. Mas isso é outra história.O que mais? Cama? Confortável. Banheiro? O primeiro apartamento era bem espaçoso, pois a UH era para pessoas com necessidades especiais, já no segundo, minúsculo, porém charmoso e com janela.
 
O National é o restaurante do Benjamin
 
A hostess fica tímida ante à nossa câmera
 
  Uma bicicleta com um cesto de verduras passa a ideia de uma cozinha marchée. Ao lado, Cole Hernandez, a executiva da rede, com quem conversamos
 
A área do bar conta com mesas pequenas...
 
 O balcão tem tom amarelo que combina com o piso de madeira escurecido
 
 
 
 Já na área do restaurante, o piso muda. Os táxis amarelos podem ser vistos pelas janelas
 
A partir do Lobby, uma escada dá acesso ao 1º pavimento, onde ficam algumas salas de reunião e um lounge
 
 
 Indo para o lounge passamos pelas bandeiras do hotel e dos EUA
 
É neste espaço que ficam também os computadores para uso dos hóspedes
 
  Conseguiu perceber que são como grandes malas? 
 
Mais uma olhadinha...
 
E vamos conhecer uma das salas para eventos...
 
Situada no canto do edifício e tendo janelas em duas de suas paredes
 
A sala tem bom espaço para reuniões executivas ou eventos sociais, como coquetéis
 
O foyer é amplo, porém com pouca iluminação
 
No quarto andar, um dos apartamentos foi transformado no spa
 
Lá podem ser comprados diversos produtos como cremes, xampus, condicionadores e afins
 
A academia conta com esteiras e outros equipamentos para manter a forma
 
New York City Um dos destinos estadunidenses preferidos por brasileiros, Nova York é considerada a capital do mundo. Todo o turismo é praticado em Manhattan, ilha separada do continente por uma pequena distância percorrida por túneis ou pontes.
 
Compras, gastronomia e cultura são os anseios dos brasileiros na Big Apple, preferencialmente nessa ordem. E as opções são muitas. Repleta de lojas, outlets, restaurantes, bares e outros redutos gastronômicos, além de museus, galerias de arte, teatros, shows e outros atrativos. Manhattan precisa de muito do tempo do turista. Dez dias são poucos, duas semanas já é um prazo mais  interessante. Há quem sonhe em morar na cidade, e o número de brasileiros ali é grande. Em qualquer grande loja ouve-se o idioma tupiniquim.
Para quem está indo pela primeira vez, é indicada a contratação de um city tour, no qual serão mostrados os principais pontos da cidade. Depois, pode-se percorrer por conta própria àqueles locais que se mais gostou para maior interação.Nós optamos em subir no Empire State, caminhar pela Quinta Avenida, raspar no Times Square e ir ao Central Park, conseguimos ver também o primeiro show da nova turnê de Paul McCartney no estádio dos Yankees. A experiência em ir ao show de metrô, não enfrentar filas para trocar o ingresso e entrar, além de podermos nos alimentar com junk food de qualidade, e finalmente deixar o local, desistimularam-me completamente em querer ir em shows nos estádios brasileiros. Apenas se for algo que pressinta não ter a oportunidade em ver nunca mais. Mesmo assim, não será fácil ir e passar nervoso num Morumbi da vida.
 
Experimentamos também uma atração intitulada The Ride, um ônibus especial com uma única e grande janela lateral de um lado só do veículo. Todos os passageiros sentam-se de frente para ela, olhando para as calçadas. O teto é de vidro também. O passeio sai do Times Square e percorre as principais ruas do centro, e em alguns locais existem atores que cantam ou dançam, contando histórias relacionadas à cidade. Dois guias vão descrevendo as atrações e contando piadas. Vale a pena! 
 
A quatro quadras do Benjamin fica o Radio City Music Hall
 
Já no topo do Empire State, podemos ver Manhattan de vários ângulos. O edifício prateado é o da Chrysler
 
 
 
 Dá para ficar horas ali, vendo e analisando a arquitetura dos edificios nova-iorquinos
 
Olhando em direção ao downtown
 
Já na rua, clicamos uma das maiores lojas de departamentos do mundo, a Macy's
 
No parque Bryant tivemos a surpresa em encontrar a estátua de um brasileiro famoso...
 
...Uma inesperada homenagem
 
Na Park Avenue, um urso gigante chama a atenção dos transeuntes
 
E quem imaginaria que no Central Park haveria um lago tão grande?
 
A rua 42 é cheia de teatros, lojas e restaurantes
 
Uma das peças teatrais que já chegaram no Brasil, a Família Addams
 
Uma das opções de entretenimento escolhidas foi o The Ride, ônibus especial que faz um tour pelas ruas e mostra...
 
...A grandiosidade dos edifícios vistos pelo teto de vidro
 
Todos sentados de frente para a janela lateral
 
Vendo o colorido da cidade e algumas atrações exclusivas, que retratam as histórias de Nova York
 
Tivemos a sorte em estar na cidade nas datas que Paul McCartney iniciou sua nova turnê
 
Essa foto foi tirada faltando uma hora para o show começar
 
Paul entra carregando a bandeira norte-americana
 
O repertório do show foi muito parecido com os feitos no Brasil
 
Fim do show e voltando para o hotel de metrô. Que noite memorável!
 
Finalizamos o dia com esta imagem da avenida Lexington, vendo o edifício Chrysler, envolto pela névoa noturna
 
New York, New York... Eternizada nas vozes de Frank Sinatra, Paul Simon e outros artistas do planeta. Uma das cidades com maior número de imigrantes do mundo. Um lugar para se ver e, com certeza, curtir bastante. Vá de coração aberto, porque afinal você também é um cidadão do mundo!
No Brasil, o Benjamin Hotel é representado pela X-Mart (www.x-mart.tur.br).Serviço The Benjamin, an Executive Hotel 125 East 50th Street, Nova York www.thebenjamin.com
* A reportagem do Hôtelier News hospedou-se no The Benjamin a convite do hotel.

Comentários