Transporte aéreo mundial cresceu 6,5% em 2018, diz Iata

Iata - dados de 2018Na América Latina, foi registrado alta de 6,9% na demanda

A demanda de passageiros por transportes aéreos cresceu 6,5% globalmente, na comparação anual. Segundo levantamento da Iata (Associação Internacional de Transportes Aéreos, na sigla em inglês), o resultado é saudável, acima da tendência de crescimento. Ainda assim, o desempenho não supera o aumento de 8% observado entre 2016 e 2017. De acordo com a entidade, a região da Ásia-Pacífico teve a melhor performance mundial.

O estudo aponta também que a oferta aérea mundial cresceu 6,1% na mesma base de comparação. Com isso, a ocupação nos voos fechou 2018 em 81,9%, 0,3 ponto percentual a mais do que 2017. Alexandre Juniac, diretor geral e CEO da Iata, diz que o cenário político e econômico mundial influencia muito a demanda por transporte aéreo. Ele destaca que as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, por exemplo, atingiram o fluxo de passageiros em 2018.

“A recuperação da economia global respaldou na aviação, como mostra o forte crescimento no fluxo de passageiros em 2018. Ainda que moderado, nosso prognóstico para 2019 é igualmente otimista, mas o Brexit e as relações entre os Estados Unidos e a China adicionam certa dúvida nos resultados”, afirma.

Iata: análise regional

Na América Latina, o tráfego internacional de passageiros cresceu 6,9% em 2018 frente ao ano anterior. O percentual indica uma desaceleração em relação à alta de 8,8% registrada em 2017. Segundo a entidade, a demanda foi afetada pelas greves no Brasil no meio do ano. A situação política e econômica na região, principalmente na crise da Venezuela, também influenciaram na performance. No Brasil, segundo a Abear (Associação Brasileira das Empresas Brasileiras), o indicador avançou 16,45% em relação a 2017.

Pelo segundo ano consecutivo, a Ásia-Pacífico apresentou o maior índice global de crescimento na demanda de passageiros. Em 2018, a região registrou aumento de 7,3% no indicador quando comparado ao ano anterior. Ritmo de expansão da economia local, bem como a atratividade de alguns dos destinos, justificam o desempenho.

Mais ainda, os números se alinham às previsões da entidade em relação ao principal mercado da região: a China. De acordo com previsão da entidade, o país asiático deverá ultrapassar os Estados Unidos como o maior mercado de aviação do mundo até 2020.

Na Europa o fluxo internacional aumentou 6,6%. No Oriente Médio, a subida foi um pouco mais moderada: 4,2%. Já a América do Norte experimentou o maior crescimento desde 2011, com alta de 5% do fluxo de passageiros internacionais. Outro bom desempenho foi na África (+6,5%). A base de análise de todas as regiões citadas é anual.

(*) Crédito Foto: Free-Photos/Pixabay

Comentários