Turismo fluminense investe para incrementar fluxo de visitantes do Paraguai

Apenas 4 mil turistas do Paraguai visitaram o Brasil em 2016, segundo o MTur

O mercado latino-americano sempre foi bastante relevante para o turismo brasileiro, principalmente o argentino. Outros mercados, contudo, vêm chamando atenção nos últimos tempos, e um bom exemplo é o Paraguai. Com o início das operações de uma ligação direta entre Assunção e o Rio de Janeiro, em dezembro passado, a Secretaria Estadual de Turismo do Rio de Janeiro prepara uma série de ações para aumentar o fluxo de turistas do país vizinho.

Nilo Sergio Felix, secretário de estadual de Turismo, diz que estudos da OMT (Organização Mundial de Turismo) mostram que o turismo de curta distância é o que mais cresce no mundo, seja dentro do país ou entre países fronteiriços. “Com o voo direto da Amaszonas Línea Aérea, três vezes por semana, o Paraguai tornou-se um importante mercado a ser trabalhado.”
 
Paraguai: potencial 

De acordo com o secretário, a ideia é realizar um workshop no Paraguai para operadores locais com o objetivo de apresentar os atrativos do estado. Agora renomeada, a Baixada Fluminense é um desses destinos. Felix cita ainda alguns números que ressaltam o potencial do mercado paraguaio.

“A Argentina é, tradicionalmente, o nosso maior emissor de turistas com mais de 370 mil visitantes em 2016, segundo o MTur (Ministério do Turismo). Vindas do Uruguai chegaram mais 41 mil pessoas e, do Peru, 14 mil. O Paraguai registra um número bem abaixo, com 4 mil, o que fortalece a necessidade de divulgação do nosso destino”, avalia o secretário.  

Para fortalecer o laço entre os gestores do turismo dos países, a secretaria fará uma visita ao país vizinho, a convite da Embaixada e da Amaszonas Línea Aérea. Entre as reuniões já agendadas estão encontros com Marcela Bacigalupo, ministra da Secretaria Nacional de Turismo; Rómulo Campos, Presidente da Amaszonas Paraguay; e Carlos Alberto Simas Magalhães, embaixador do Brasil no Paraguai.

(*) Crédito da foto: Poswiecie/Pixabay

Comentários