"Venho de uma família de hoteleiros", diz Cleide Balestri, do Royal Palm Towers Anhanguera

Cleide completa 20 anos na rede em 2019

Cleide Balestri vem de uma família de hoteleiros. "Minha irmã e meu irmão são hoteleiros, apenas meu pai que não. Já, minha mãe trabalhou, durante 27 anos, como governanta no Hilton em São Paulo. Aos finais de semana ela fazia plantão e eu ía junto, ficava na governança subindo e descendo as prateleiras, além de conversar com as camareiras. Foi daí que veio a paixão pela hotelaria", recorda a executiva para a reportagem do Hotelier News.

Nos dias de hoje, Cleide é a gerente geral do mais novo hotel de Campinas, o Royal Palm Tower Anhanguera, inaugurado no mês passado. Em 2019, a executiva completa 20 anos de empresa. "Recebi uma proposta do Royal Palm Plaza, que na época tinha 125 apartamentos - hoje são 500 -, para gerente de compras, cargo no qual fiquei por oito anos. Acompanhei todas as ampliações. Em 2007, recebi uma proposta de gerenciar a área de governança. Saí do comando de uma equipe de seis 6 pessoas para uma de 120. Foi uma tremenda experiência, adorei e me apaixonei. Falo até hoje que é a Governança é o coração da hotelaria", comenta Cleide.

Nesse departamento ela ficou por nove anos. Em 2016 foi aberto um processo seletivo para gerência geral do Anhanguera e o de Indaiatuba. "Entrei no processo seletivo e não concorri para o Indaiatuba porque eu queria esse projeto aqui. Fui escolhida entre 10 colaboradores da rede, porque temos a prática de antes de buscar um profissional no mercado, dar a oportunidade para pessoas que já estão na rede", diz.

Antes de assumir o Royal palm Tower Anhanguera, Cleide ficou 18 meses como gerente geral do Royal Palm Tower Residence, unidade localizada no bairro de Cambuí, em Campinas. 'Foi um  período de grande aprendizado. Mesmo sendo uma estrutura menor foi muito importante. E vir para cá para fazer a abertura foi uma experiência inesquecível. Fizemos o processo seletivo do grupo gerencial, começamos a contratação de algumas áreas, treinamentos", conta.

Cleide Balestri: desafios no novo hotel 

O maior de desafio de Cleide no Royal Plam Tower Anhanguera é manter a qualidade de atendimento. "Não é fácil, requer muito treinamento para chegar na excelência em atendimento, que é a cultura do Royal. O Tower Anhanguera é um produto diferenciado e sem igual em Campinas. Conheço muitos hotéis inclusive em São Paulo e a qualidade de construção e da implantação é diferenciada. Os clientes ficam encantados, temos uma demanda grande, e o fato de estarmos literalmente ao lado do Royal Palm Hall, sem dúvidas alguma será uma alavanca de negócios. Hoje temos uma lista de eventos vendidos, vários eventos que aconteceram e que vão acontecer.

Carreira de Cleide Balestri

Antes de entrar para a Royal Palm, Cleide foi assistente de compras no antigo Sheraton Mofarrej por quatro anos. Depois foi para a rede Transamérica, também como compradora, atuando nos dois hotéis - Nações Unidas e Comandatuba, "Trabalhei na construção do Transamérica Comandatuba. Vi tudo aquilo crescendo se transformando no hotel maravilhoso que é até hoje", recorda.

Na sequencia, Cleide deixa a hotelaria e abre uma empresa de refrigeração industrial. Foi para o Rio de janeiro onde ficou por dois anos. "estava bem por lá, mas a hotelaria falou mais alto. Não resisti e voltei", finaliza.

(*) Crédito da foto: Peter Kutuchian/Hotelier News

Comentários