';

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

BC corta para zero previsão de alta no PIB

Por Redação 26 de março de 2020

BC - queda previsão do PIBImpacto na indústria de viagens é gigante: ações da CVC caem 71% no ano 

De alta de 2,2% prevista em dezembro para zero hoje (26). É este o estrago provocado pelo coronavírus na economia brasileira, pelo menos até agora, aponta estimativa do BC (Banco Central). Em comunicado divulgado hoje, a instituição financeira diz que estabilidade agora vista está associada a impactos econômicos "expressivos" decorrentes da pandemia, informou a Reuters.

O BC também ponderou que, mesmo antes do surto do Covid-19 derrubar os mercados e afetar a perspectiva de crescimento global, os mais recentes dados econômicos brasileiros frustraram as expectativas. "Resultados abaixo do esperado em indicadores econômicos no final de 2019 e início de 2020 afetaram a expectativa de desempenho da atividade no primeiro trimestre", disse o BC.

Hoje, empresas ligadas ao turismo com ações listadas na Bovespa tiveram um alívio, após massivas perdas desde a semana passada. Os papéis da CVC Corp, por exemplo, subiram 34,97% na sessão de hoje. No entanto, acumulam queda de 71% em 2020.

BC e sua avaliação da crise

Agora, o BC vê forte tombo do PIB no segundo trimestre, seguido de "retorno relevante" nos últimos dois trimestres. A instituição essalvou que há grau de incerteza elevado na realização de projeções em ambiente de crise. Disse ainda que a magnitude dos impactos da pandemia estará associada à gravidade e à extensão do período do surto, bem como às medidas públicas adotadas nas diversas áreas.

A nova expectativa da autoridade monetária ficou mais otimista do que a divulgada, na semana passada, por vários bancos. Muitos agentes de mercado já têm projetado o PIB em terreno negativo. Enquanto Bank of America e JP Morgan calculam retração de 0,5% e 1% em 2020, respectivamente, o Itaú vê uma queda de 0,3% da atividade brasileira.

(*) Crédito da foto: Skitterphoto/Pixabay