';

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Especialistas debatem soluções para o setor de eventos em webinário da FecomercioSP

Por Nayara Matteis 23 de julho de 2020

fecomerciosp- webinárioDebatedores analisaram o retorno do setor para 2020

Olimpíadas adiadas, Réveillon na Avenida Paulista cancelado e inúmeros shows, feiras e congressos corporativos prorrogados para 2021. É neste contexto, de crise e incertezas, que profissionais do setor de eventos debateram soluções para o mercado no pós-pandemia. Em webinário promovido pela FecomercioSP em parceria de transmissão do Hotelier News, especialistas analisaram alternativas para grandes celebrações como Carnaval e Ano Novo, além de especularem possíveis datas para a retomada de ações corporativas.

Com moderação de Rodolfo Bartolini, Mariana Aldrigui, presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP; João Paulo Kitsis de A. Castro, head of Legal, Compliance e Relações Governamentais da Sympla e Alberto G. Martins, diretor-geral da B4Tcomm, participaram da roda de conversa encerrada há pouco.

Apesar do cenário complicado, a área de eventos já vem planejando uma retomada. Em São Paulo, eventos com público sentado serão permitidos a partir da próxima segunda-feira (27), enquanto ações de grande porte têm previsão para retornar em outubro. Com tantas restrições, Mariana explicou quais protocolos vêm sendo discutidos na entidade. “Os protocolos vêm sendo analisados há bastante tempo em colaboração com a imprensa. Serão permitidas a abertura de museus, galerias, teatros e cinemas com no máximo 40% de ocupação e venda antecipada online, respeitando as orientações de distanciamento, medição de temperatura, uso de máscara obrigatório e álcool em gel”, comenta.

Após 28 dias seguidos na fase amarela, a capital paulista flexibiliza a realização de eventos de 40% para 60% da capacidade dos espaços, seguindo as mesmas premissas de segurança e higienização. 

Sobre o cancelamento e adiamento de grandes eventos como o Réveillon na Paulista e a possibilidade de adiamento do Carnaval, João Paulo afirma que a Sympla desenvolveu um grupo de estudos para acompanhar as medidas que vêm sendo implementadas fora do país para adaptá-las à nossa realidade. “Olhamos países que estão à frente do Brasil na pandemia e formamos um grupo de oito pesquisadores focados em analisar os protocolos. Eventos muito grandes e complexos como o Carnaval precisam ser pensados. É difícil presumir desde já que não irão acontecer, mas o quanto antes pensarmos nisso e planejar, melhor”, explica.

FecomercioSP: comunicação com o cliente

Diante de tantos cancelamentos, o relacionamento com o cliente é parte essencial da equação para evitar frustrações e quebra de conexão com a marca pu evento. Para Martins, o momento pede transparência e proatividade. “Precisamos minimizar a frustração com comunicação direta, transparente e sem rodeios, priorizando sempre a saúde de todos. Público, fornecedores e patrocinadores precisam ser comunicados em primeira instância e não ficar sabendo pela imprensa. Essa comunicação dará o tom da minimização e o quanto antes, melhor”, salienta.

“No Sympla, comercializávamos em um dia 40 mil eventos na plataforma. Percebemos que o produtor que soube comunicar de forma transparente teve muito mais receptividade do consumidor”, complementa João Paulo.

Agenda de eventos

A pergunta que não quer calar é: quais os segmentos de eventos sairão na frente na retomada? Dúvida que, até mesmo para especialistas, ainda é difícil de responder. “Eventos controlados, com horário marcado de início, meio e fim; controle de acesso e possibilidade de intervenção caso seja necessário voltarão primeiro. Tudo que for menor e de mais fácil gestão será mais fácil de ser realizado”, aposta a presidente.

João Paulo destaca a promoção de eventos híbridos, modelo que ganhou espaço no mercado durante a quarentena, e pequenas socializações de núcleos específicos. “O que vejo que tem acontecido na Europa é a autorização para núcleos socializarem entre si. Acredito que tenhamos algo neste sentido, já uma festa, por exemplo, é difícil enxergar no horizonte”.

“Temos visto muitos eventos em formato híbrido, online, palestras e webinários acontecendo. Eles já existiam antes, mas foram impulsionados pela crise. Já vimos um grande movimento de hotéis e espaços investindo em equipamentos e tecnologias para a realização desse modelo, além de eventos menores, que transmitam a sensação de segurança”, complementa Martins.

Para assistir à transmissão completa, acesse https://bit.ly/2CB4JWs.

(*) Crédito da capa: Free-Photos/Pixabay

(**) Crédito da foto: reprodução da internet