';

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

FBHA luta para prorrogar MP 936 por mais 180 dias

Por Redação 12 de maio de 2020

fbhaSampaio: projeção é de 300 mil desempregados 

Aprovada em abril, a MP 936, que garante dois meses de fôlego ao setor com medidas trabalhistas. Chegando ao fim de sua vigência, a FBHA (Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação) continua a lutar para garantir melhorias ao segmento durante o período da crise do coronavírus. A nova proposta da federação consiste na busca por prorrogar a MP por mais 180 dias.

Ontem (11), a Federação se reuniu junto a entidades do Turismo, para solicitar a prorrogação da suspensão de contrato de trabalho e da redução proporcional de jornada e salário. Na reunião também estavam presentes os deputados Baleia Rossi (MDB/SP), Magda Mofatto (PL/GO), Eduardo Bismarck (PDT/CE), Evair Vieira de Melo (PP/ES), Geninho Zuliani (DEM/SP), Newton Cardoso Jr. (MDB/MG), Arnaldo Jardim (CIDADANIA/SP) e Felipe Carreras (PSB/PE).

Alexandre Sampaio, presidente da FBHA, defendeu no encontro a importância da prorrogação. “Sabemos que todos os setores da economia estão afetados, mas o segmento voltado ao Turismo terá o processo mais longo de recuperação. Temos uma projeção de 300 mil desempregados e quase R$ 22 bilhões de prejuízo no faturamento em razão dos compromissos que não poderão ser assumidos. Nossa ressalva é voltada à necessidade da prorrogação da MP”.

FBHA: MP 936

Muito aguardada pela hotelaria, a medida autoriza a diminuição da jornada de trabalho e dos salários, bem como a suspensão de contratos com a União arcando com parte ou integralidade dos recursos aos colaboradores.

Com o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, que vigora por 90 dias, mais de 24 milhões de trabalhadores têm direito a benefício em caso de redução de jornada ou suspensão de contrato. Pelas estimativas da Secretaria Especial de Trabalho, sem a adoção das medidas, 12 milhões de brasileiros poderiam perder seus empregos. Destes, 8,5 milhões requisitariam o seguro-desemprego e os outros 3,5 milhões buscariam benefícios assistenciais para sobreviver.

(*) Crédito da foto: Divulgação/FBHA