CNC: Sesc e Senac sofrem corte de 50% na arrecadação

CNCSerão mais de 10 mil demissões e redução de mais de 36 milhões de atendimentos

Em meio à crise do coronavírus, a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) enviou aos governadores de todos os estados do país um documento que mostra que o corte de 50% na arrecadação compulsória definida pelo governo federal vai provocar a demissão de mais de 10 mil trabalhadores. Com a medida, 265 unidades do Sesc e Senac serão fechadas, resultando na redução de mais de 36 milhões de atendimentos.

Em contrapartida, a entidade enviou ao presidente Jair Bolsonaro; aos ministros Paulo Guedes (Economia); Luiz Henrique Mandetta (Saúde); e aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia e Senado, David Alcolumbre, um plano de ações das instituições no valor de R$ 1 bilhão para a conscientização no combate ao coronavírus e prestação de serviços à comunidade pelos próximos três meses.

CNC: fechamentos

Com este corte, deixam de operar 144 unidades do Sesc e 121 do Senac. Com isso, o Sesc soma 6.670 colaboradores demitidos, e menos 33.516.306 de atendimentos, vagas e inscrições nos serviços oferecidos. Já o Senac terá que demitir 3.540 constatando perda de   2.893.567 de atendimentos, vagas e inscrições nos serviços oferecidos.

Dentre os estados com maiores índices de fechamento estão Rio de Janeiro (34), Pernambuco (29), Santa Catarina (28), Rio Grande do Norte (18), Goiás (17), Piauí (16), Paraná (16), Amazonas (15), Minas Gerais (14) e Acre (13).

José Roberto Tadros, presidente da CNC, o fechamento dessas unidades acarreta no atendimento básico à população. “Mais de 90% das unidades que poderão ser fechadas estão presentes em regiões que, muitas vezes, carecem da presença do governo e, principalmente nestas localidades, os serviços que o Sistema Comércio oferece chega aos mais pobres, a parcela que sofrerá o maior impacto com fechamento”.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Senac

Comentários