Coronavírus: governo de SC proíbe hotéis de receberem novos hóspedes por 7 dias

coronavírus- scVailatti: nosso posicionamento é de total respeito ao decreto

O governo de Santa Catarina saiu na frente na adoção de medidas restritivas mais duras. O estado decretou ontem (17) situação de emergência por conta do avanço do coronavírus. O anúncio foi feito após a confirmação de transmissão comunitária e assinado pelo governador Carlos Moisés (PSL). Entre as mudanças, a hotelaria foi proibida de receber novos hóspedes pelo período de sete dias.

Segundo Osmar Vailatti, presidente da ABIH-SC (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina), o momento é de angústia e de diálogo com os 160 associados. “É hora de conscientização, conversamos com o governo sobre como orientar, o que dizer e o que fazer. Nosso posicionamento é de total respeito às medidas adotadas”, comentou. 

Os hotéis poderão realizar novos check-ins até amanhã (19) e clientes que já estavam hospedados terão o direito a completar suas estadias. Os empreendimentos poderão abrir exceções para tripulações de companhias aéreas e situações de emergência.

Sobre reembolsos e cancelamentos, Vailatti garante que a orientação é a devolução do valor de pré-reserva, sem questionamentos. “Além de estarmos avisando os hóspedes com reservas feitas a não virem, os hotéis terão que devolver as quantias sem causar nenhum constrangimento ao cliente. Sabemos que não é opcional a situação que estamos vivendo”.

O presidente da ABIH-SC também informa que o balanço de quantos hóspedes estão hospedados nos hotéis do estado não foi feito, nem o impacto negativo do decreto no setor para o mês de março. “Tudo que eu disser agora será leviano. Em breve, vamos divulgar estes números”. 

Com 6 hotéis no estado, Geraldo Linzmeyer, presidente e fundador da CHA Hotéis estranhou o decreto por apenas sete dias. “Normalmente, as medidas estão sendo adotadas por 14 dias ou mais. Acredito que o governo esteja tentando ganhar tempo para decidir o que fazer e tomar novas atitudes”.

Segundo o executivo, ainda é cedo para dizer o tamanho do prejuízo, mas por alto ele estima que, ao menos meio milhão seja perdido de imediato. “Com uma queda de ocupação que pode chegar a 80%, pensando que temos um milhão de receitas mensais, acredito que em princípio seja isso em nossa rede”.

Coronavírus no estado

Com sete casos confirmados de covid-19 no estado e outros 220 em monitoramentos, Santa Catarina já registra contaminação comunitária, assim como São Paulo e Rio de Janeiro - ambos também em estado de emergência. Além das restrições hoteleiras, o transporte público também está proibido de circular em todo o território catarinense pelo período de sete dias. 

Apenas farmácias, supermercados, unidades de saúde, postos de combustível, funerárias, distribuidoras de água, gás, energia elétrica, coleta de lixo, clínicas veterinárias de emergência, órgãos de imprensa e segurança privada estão liberados para operar.

(*) Crédito da capa: HenriqueTrilha/Pixabay

(**) Crédito da foto: Nayara Matteis/Hotelier News

 

Comentários