Luciana Mêda, gerente do Best Western Arpoador, relembra trajetória e fala sobre novos desafios

Luciana tem sua carreira associada ao Rio

Atuando no segmento hoteleiro há 16 anos, Luciana Mêda vive um novo momento da carreira. Há dois meses, a executiva comanda o Best Western Premier Arpoador Fashion Hotel By Gloria Coelho, novidade na lista de ofertas Nobile Hotéis. Desde então, a profissional trabalha para disseminar o conceito lifestyle da unidade e manter a operação próspera num mercado em fase de oscilação.

"Já conhecia o hotel por estar sempre antenado ao mercado. Mas ainda não o tinha visitado", conta a dirigente quando perguntada sobre a visão que tinha antes da contratação. Luciana foi trazida pela direção regional da rede que apostou no seu trabalho pela experiência e conhecimento do mercado carioca.

Antes de chegar a Nobile Hotéis, a gerente passou pelas Windsor Hotéis e Porto Bay Rio Internacional. Também teve vivências no Pestana Barra e na (fracassada) investida fluminense da Trump Hotels. Fora do Rio passou pelo Infinity Blue Resort & Spa, em Balneário Camboriú. "Passei por algumas empresas de cultura internacional e por outras com jeito mais brasileiro. Aprendi que que todas elas têm processos e procedimentos muito particulares que exigem adaptação. Isso me ajudou no desenvolvimento de carreira e não é diferente nessa nova empreitada", comenta.

A avaliação da própria trajetória soa como um eco de sua principal característica como líder: a gestão de pessoas. Luciana dedicou-se ao tema nos últimos anos. Depois de concluir sua formação em Turismo e Hotelaria optou por realizar uma MBA em Gestão Empresarial e emendou um curso de Psicologia. "Decidi ir por esse caminho que tenta compreender as pessoas e profissionais", argumenta.

O trato com equipe e clientes é tido como fundamental para a gerente e vem a calhar com o estilo do hotel que conduz. De acordo ela, fazer valer o estilo da propriedade, que privilegia a vivência do espaço, é seu desafio número um.

Luciana Mêda: caminho carioca

A não ser por sua passagem de um ano pelo mercado catarinense, Luciana teve toda sua jornada percorrida no Rio de Janeiro. O tempo, portanto, permitiu a ela ver diversas fases da cidade no cenário hoteleiro. "Percebo que houve uma oscilação muito grande nesse período e acredito que agora seja um momento de estabilização de oferta", opina.

De acordo com a gerente, os grandes eventos que passaram pela cidade nas últimas temporadas inflaram a oferta e fizeram sofrer investidores. A normalização do cotidiano da cidade, no entanto, segundo ela, tende a eliminar a oferta sobressalente e reativar o bom desempenho de quem perseverar. "Em 2019, devemos ter ocupação melhor do que temos hoje. É uma crescente gradual", conclui.

(*) Crédito da foto: Peter Kutuchian/Hotelier News

Comentários