SindusCon-SP revê projeção de 2019 anima setor de construção civil

Construção civil - projeções SindusCon-SP_Caio CalfatCalfat: medidas como a nova orientação da política de juros, contribuíram

Após o bom indicativo de outubro, a construção civil brasileira começa a respirar, o que é bom sinal para a hotelaria. O SindusCon-SP (Sindicato da Construção), na semana passada, reviu a estimativa do PIB (Produto Interno Bruto) do setor. Segundo a entidade, agora o indicador deverá crescer 2% em 2018 frente ao ano anterior.
 
Se confirmado, o resultado de 2019 interromperá uma série de cinco anos consecutivos de queda no PIB da Construção Civil. De fato, desde 2014, o segmento acumulou 20 recuos trimestrais consecutivos no indicador até o segundo trimestre desse ano. “Foi a pior crise da história do mercado imobiliário”, observa Caio Calfat, presidente da Adit Brasil (Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil).

O dirigente destaca que algo comparável ao que se passou nos últimos anos só mesmo os problemas dos anos 1980, quando o BNH (Banco Nacional da Habitação) foi fechado. “Dessa vez, contudo, foi muito mais intenso, concentrando-se em apenas cinco anos”, acrescenta Calfat, que também é vice-presidente de Assuntos Turísticos e Imobiliários do Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo).

Na avaliação de Calfat, um conjunto de fatores tem favorecido essa retomada. “As reformas sugeridas pelo governo, como a da Previdência, e a nova política de juros baixos foram determinantes”, observa. “Outro incentivo importante foi o realinhamento da alíquota de correção dos financiamentos imobiliários, que passaram a ser atrelados ao IPCA”, completa.

Construção civil - projeções SindusCon-SP_internaPara 2020, expectativa é de continuidade na trajetória de expansão do setor

Construção Civil: hotelaria e projeções

Em relação à hotelaria, Calfat acredita que os indícios de retomada devem se refletir também no segmento. “Hoje mesmo já estamos com bastante trabalho na hotelaria, de Norte a Sul do país. Há muita procura para novos hotéis e projetos de multipropriedade”, destaca o executivo, que preside a Caio Calfat Real Estate Consulting. “Alguns dos trabalhos são refações de projetos que foram engavetados durante a crise em cidades secundárias e terciárias”, acrescenta.

Para 2020, o SindusCon-SP projeta continuidade na expansão do PIB do setor. Segundo a entidade, a expectativa é que o indicador suba 3% frente a 2019. “A percepção é de que a crise ficou para trás”, analisa Odair Senra, presidente do SindusCon-SP. “E as perspectivas são de crescimento mais expressivo das edificações residenciais e dos demais segmentos do setor em 2020”, completa.

Já Eduardo Zaidan, vice-presidente da entidade, pondera que a indefinição em relação à continuidade do programa Minha Casa, Minha Vida preocupa. “O programa se mostrou eficaz na diminuição do déficit habitacional e, na crise, acabou sendo responsável pela construção da maioria dos empreendimentos imobiliários, gerando habitação e emprego”, finaliza.

(*) Crédito da capa: dimitrisvetsikas1969/Pixabay

(**) Crédito da foto: arquivo HN

(***) Crédito da foto: Peggy_Marco/Pixabay

Comentários