Slaviero Hotéis prevê alta de 15% na receita em 2019

Slaviero Hotéis - Eraldo SantanaSantana revela que a rede estima faturar R$ 206 milhões em 2019

Embalado pelo primeiro trimestre acima das projeções e pelas aberturas programadas este ano, a Slaviero Hotéis vê 2019 com otimismo. Segundo a rede, apesar da economia ainda não ter decolado, a expectativa é elevar a receita em 15% ante 2018. Frente a mesma base de hotéis do ano passado, a estimativa é pouco menor, mas ainda em dois dígitos: 10%.

A informação é de Eraldo Santana, diretor de Operações da empresa, que reuniu jornalistas hoje (17), no Slaviero Essential Jardins. Vale destacar que, em 2018, a rede paranaense também teve crescimento, chegando a um faturamento de R$ 185 milhões. Segundo o executivo, São Paulo e Santa Catarina apresentaram as melhores performances em toda rede no primeiro trimestre.

“Tivemos uma feliz surpresa em nossos hotéis catarinenses. A esperada ausência argentina, em função da crise no país, confirmou-se, mas a demanda doméstica mais do que compensou, inclusive com tarifas mais elevadas”, comentou. “Somos uma empresa focada no corporativo, então é gratificante ver nossas unidades vendendo bastante no segmento de lazer. No Jaitúca Hotel e Resort, o crescimento foi de 30% na receita”, completou.

Já no mercado paulista, Santana revela que a ocupação nas cinco unidades na Grande São Paulo ficou na casa de 72% no período. “São Paulo sempre é o último mercado a entrar em crise e o primeiro a levantar. A performance foi a melhor nos últimos 10 anos”, observou. “Ainda assim, apesar da boa ocupação, ainda não conseguimos elevar a diária média”, acrescentou.

Slaviero Hotéis: aberturas

Depois de inaugurar uma unidade em Campina Grande, a rede paranaense abrirá hotéis em São José dos Pinhais (PR), Manaus, Chapecó e Curitiba este ano. A informação foi adiantada pelo Hotelier News, em outubro do ano passado, em entrevista com Eduardo Campos, CEO da Slaviero Hotéis.

“Com o projeto em Campina Grande, entramos em um novo mercado, que é o de administração condominial. O complexo tem laje corporativa e lojas comerciais, além de um flat e do hotel, tudo sob nossa gestão”, ressaltou Santana. “O interessante é que, uma vez no complexo, o morador do flat ou o hóspede têm tudo que necessita ali. Para os flats, por exemplo, ofertamos serviços pay-per-use do hotel”, completa.

Embora a expansão no curto e médio prazo aconteça com a administração de propriedades construídas do zero, Santana disse que conversões estão sempre no radar da empresa. “Estamos atentos e mapeando o mercado. O bom desse modelo é que podemos expandir rapidamente o portfólio. Projetos novos demandam mais tempo, em função da construção, e até mesmo de maturação do produto”, comentou.

Por fim, ele revelou que a empresa está avaliando fechar parceria com alguma grande rede internacional. “Já temos três unidades no modelo de franquia. Esse movimento vai de encontro com uma possível demanda do investidor, que quer nosso modelo de gestão, mas deseja uma marca internacional para estampar no seu hotel”, finalizou.

(*) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News

Comentários