';

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Em julho, foram criadas 43,8 mil vagas de emprego no país

Por Nayara Matteis 23 de agosto de 2019

vagas de emprego- juilhoJulho foi o quarto mês consecutivo no azul

No mês passado, foi registrada a abertura de 43,8 mil vagas de emprego formais no Brasil, número abaixo do esperado e inferior a junho, que atingiu a marca de 48,4 mil vagas – o melhor resultado para o período em seis anos. Os dados foram apontados pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e divulgados hoje (23) pelo Ministério da Economia.

Analistas consultados pela Reuters projetavam a criação de 45,7 mil postos no mês, que também apresentou resultado abaixo do registrado no mesmo período em 2018, de 47,3 mil oportunidades. Mesmo não atingindo a meta, julho foi o quarto mês consecutivo no azul este ano.

Dos oito setores pesquisados pelo Caged, sete tiveram performance positiva, com destaque para a construção civil, com saldo de 18,7 mil novas vagas em julho. Aparecem em seguida o setor de serviços, com abertura de 8,9 mil empregos, e a indústria da transformação, com acréscimo de 5,3 mil postos.

Em contrapartida, 315 postos de trabalho foram fechados pela administração pública. Entre janeiro e julho, foram abertas 461,4 mil vagas, acima do salto positivo de 448,2 mil na mesma base de comparação em 2018. Esta foi a performance mais otimista para o período desde 2014.

“Consideramos que o mercado de trabalho tem apresentado sinais de recuperação gradual, em consonância com o desempenho da economia. O governo vem adotando medidas de impacto estrutural e esperamos reflexos positivos no mercado de trabalho, na medida do aprofundamento das reformas”, avaliou em nota Bruno Dalcolmo, secretário de Trabalho do Ministério da Economia. 

Vagas de emprego: taxa de desemprego

Segundo os últimos dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no trimestre encerrado em junho, a taxa de desemprego caiu para 12% – menor nível do ano, com aumento da ocupação e queda da desocupação.

Com isso, o Brasil fechou o segundo trimestre com 12,7 milhões de desempregados, melhora em relação aos três primeiros meses do ano, mas num número ainda alto, que reflete a lentidão da recuperação econômica.

(*) Crédito da foto: Free-Photos/Pixabay