Atuação de sindicatos evitou demissões em massa na hotelaria, avalia Capih

Capih - estudo mercado de trabalho_daniel battistiniEstudo feito por Battistini envolveu 68 hotéis e redes do estado de São Paulo

Com a promulgação da MP 936, a hotelaria ganhou a chance de preservar empregos. Redução de salário e de jornada, bem como suspensão de contratos, foram alternativas abertas ao setor. Antes de sua divulgação, contudo, sindicatos já se movimentavam para evitar demissões em massa, atuando de forma decisiva para afastar essa possibilidade. Mesmo assim, inevitavelmente houve muitos desligamentos. Agora, qual seria retrato do mercado de trabalho sem essas mudanças? Na prática, quais medidas empresas do segmento tomaram.

Estudo fresquinho da Capih (Comissão de Administração de Pessoas da Indústria Hoteleira) ajuda a entender alguns dos caminhos tomados. Realizada entre 29 de abril a 2 de maio, a pesquisa teve participação de 68 empresas de São Paulo e interior, entre hotéis independentes e redes nacionais e internacionais. “Diria que o levantamento reproduz o que foi feito no Sudeste, até porque temos regiões muito distintas no país”, explica Daniel Battistini, reeleito ano passado coordenador da Capih e gerente de Relações do Trabalho da Accor para o Brasil.

Antes de passar os resultados do estudo, é importante entender a cronologia dos fatos. De forma geral, os fechamentos começaram em 18 de março, movimento que ganhou força na semana seguinte. Segundo o estudo, 75% dos hotéis que suspenderam operações o fizeram até 1º de abril. No dia seguinte a MP 936 foi divulgada e, em 13 de abril, o setor começa a efetivar adesão à medida provisória, a esta altura já com base no Segundo Termo Aditivo à Convenção Coletiva de São Paulo.

“Considero muito emblemática a fase entre 13 e 15 de março, quando começam cancelamentos de eventos e de reservas e ocorre queda expressiva na ocupação. Ali bate desespero no setor e pouco se sabia o que fazer com as pessoas”, comenta Battistini. “Nesse hiato de pouco mais de 15 dias até a promulgação da MP 936, é de se destacar a atuação dos sindicatos de São Paulo, que foram ágeis para buscar uma solução. Em 19 de março, por exemplo, já foi firmado o primeiro termo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho”, completa.

Capih - estudo mercado de trabalho_info 1

Capih: sindicatos foram decisivos

Segundo Battistini, essa agilidade deu um norte ao empresariado, que percebeu que não precisaria necessariamente partir para demissões em massa. “Tanto é que 75% dos hotéis que suspenderam as operações fizeram isso até 1º de abril, ou seja, sem ter a MP”, observa. “Os sindicatos perceberam rapidamente a gravidade da situação e abriram negociações para preservação de empregos e sobrevivência dos empreendimentos. Com a MP 936, houve uma migração natural para suspensão dos contratos de trabalho das negociações sindicais para a MP”, acrescenta.

De fato, a suspensão de contratos foi o mecanismo utilizado pela maioria dos hotéis e redes respondentes. Segundo o estudo, em um universo de 12.748 trabalhadores existentes em 1º de março, 5.915 colaboradores de São Paulo (ou 46,4% do total) estavam enquadrados nessa medida em 1º de maio. Outros 2.557 (20%) estão com jornada de trabalho reduzida, enquanto 2.327 (18,25%) permanecem com contrato normal. Como citado, demissões eram previsíveis em função da paralisação do setor e perspectiva de baixa demanda na retomada. Sendo assim, 15% da força de trabalho foram desligadas. No infográfico abaixo, é possível ver as áreas mais afetadas por essa decisão.

Capih - estudo mercado de trabalho_info 2

Conclusões do estudo

Por fim, diante dos dados coletados, Battistini tira três grandes conclusões do estudo:

  • Se não fossem as medidas implementadas por meio de negociação sindical, o volume de demissões seria, em média, 67% maior. Como a redução no volume de negócios foi agressiva e repentina, sem uma perspectiva quanto ao que fazer com a folha de pagamento, os hotéis provavelmente iniciariam imediatamente os desligamentos.

  • A expectativa de retorno das atividades no setor de hospedagem não contempla uma retomada rápida, o que significa que, se não houver a manutenção das medidas emergenciais, seja por meio do governo ou dos sindicatos, o volume de desligamento poderá ser muito maior, inclusive com o o encerramento das atividades de muitas empresas.

  • A reposição dos postos de trabalho, bem como a manutenção dos postos atuais, dependerá da capacidade de sobrevivência dos empreendimentos do setor, que precisarão de apoio governamental com linhas de crédito, além de outras medidas que permitam a manutenção dos empregos.

(*) Crédito da capa: Peter Kutuchian/Hotelier News

(**) Crédito da foto:Divulgação/Capih

(***) Crédito dos infográficos: Capih

Comentários